Encontre-nos nas redes sociais:

Instagram da IPGO

Use o sistema de busca.

“O sucesso do tratamento de fertilização assistida não se restringe ao teste de gravidez positivo. Muito mais que isso, é a garantia de que a mãe e o bebê permanecerão saudáveis desde o início dos procedimentos até o nascimento da criança. Afinal, de nada adianta alcançar rapidamente a gravidez única, gemelar ou até mesmo tripla, se o tratamento e a gravidez provocarem complicações que levem ao comprometimento da saúde do bebê e da mãe durante o tratamento a que estiver sendo submetida”
Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi

A acupuntura pode ajudar

29 de julho de 2011
Home » Históricos Emocionantes » A acupuntura pode ajudar

Leia na hora certa - Use o leitor QR Code e armazene este assunto para ler diretamente em seu Smartphone

Nasceu o pequeno Mateus. Em hebraico o nome Mateus significa dádiva ou presente de Deus. E é exatamente isso o que este menino tem representado em nossas vidas. Há muito tempo queríamos ter um filho, e agora o nosso sonho é uma realidade. Hoje o Mateus completou 20 dias de vida. Em 1992, a Raquel chegou a engravidar, mas com 3 meses de gestação foi constatado que o bebê não tinha se desenvolvido como devia. Depois de mais 2 semanas, feita nova ultrassonografia ficou configurado um aborto retido, e ao mesmo tempo a Raquel começou a apresentar sangramento. Depois da curetagem a Raquel ficou arrasada. Foi difícil superar o sentimento de ter perdido o bebê.

Com isso os hormônios da Raquel entraram em descompasso. A taxa de prolactina ficou muito alta, durante anos. Fizemos vários exames onde foi constatado que não havia ovulação. E ela começou a apresentar sintomas rejeitando a medicação de controle dos hormônios. A solução foi a homeopatia. Com calma, a taxa da prolactina foi caindo gradativamente, e os outros hormônios foram se estabilizando também, num processo que demorou uns quatro anos.

Desde 2000, sabíamos que estava tudo bem com a Raquel, ovulação normal, hormônios controlados, mas não conseguimos uma nova gravidez.

Em março de 2005, a Raquel leu o livro Fertilidade Natural, dos autores Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi e Dra. Daniella Spilborghs Castellotti. Neste livro é mencionado que acupuntura associada a outros tratamentos convencionais de infertilidade apresenta ótimos resultados, tanto para causas femininas quanto masculinas.

Numa consulta de rotina no final de agosto/2005, o ginecologista dela aconselhou que deveríamos procurar um tratamento mais radical se quiséssemos mesmo um filho, e sugeriu que procurássemos um especialista em reprodução humana. A Raquel estava completando 42 anos. E mandou começar a tomar comprimidos diários de ácido fólico, que seria muito importante numa possível gravidez. Em paralelo, a Raquel começou a fazer acupuntura duas vezes na semana, durante todo o mês de setembro.

A consulta com o Dr. Arnaldo que estava inicialmente agendada para o meio de setembro foi transferida para o final do mês. Mais precisamente dia 28 de setembro, segundo dia de um ciclo menstrual de Raquel. O tratamento com hormônios visando uma fertilização in-vitro poderia começar logo no dia seguinte, no terceiro dia do ciclo.

O Dr. Arnaldo se espantou com a “coincidência”. Mas acreditamos na providência divina, e Deus estava abrindo as portas para podermos realizar o nosso sonho de gerar um filho. Com um exame de ultrassonografia nos ovários, o Dr. Arnaldo constatou que com a Raquel estava tudo certo.
A única dúvida era quanto a mim. Com dois telefonemas marcamos um retorno para o dia seguinte à clínica, e iríamos contar com a presença de uma bióloga, que daria o resultado de um espermograma meu, na mesma hora. Se o resultado deste exame fosse satisfatório, iniciaríamos no mesmo dia o tratamento para realizar a fertilização in-vitro.

Bem, pelos meus exames feitos, poderíamos então realizar o tratamento. A Raquel começou a tomar os medicamentos para induzir a ovulação no terceiro dia do ciclo. No décimo segundo dia foram colhidos 9 óvulos. Quatro estavam maduros e foi feita a fecundação. Depois de 3 dias, três embriões estavam em boas condições e foram implantados na Raquel. No dia anterior a Raquel havia feito a décima primeira e última sessão de acupuntura.

Só então contamos para toda a família que fizemos esta de fertilização in-vitro. A expectativa estava muito alta. Passado o devido tempo, pelo exame de sangue constatou-se que a Raquel estava grávida. Foi a maior felicidade. Avós, tios e primos, todos queriam saber passo a passo como estavam os embriões. Todos torcendo por gêmeos ou trigêmeos.

Com um exame de ultrassonografia foi confirmada a presença de um único saco gestacional. Vieram os exames ultrassonográficos de translucência nucal, na 12ª semana, mas ainda não sabíamos o sexo do bebê, e morfológico na 24ª semana. A médica que realizou este ultrassom desenhou um boné na imagem de perfil da criança, e falou que estávamos esperando um menino.

A emoção foi muito grande. A gravidez ocorreu na primeira tentativa de fertilização in-vitro, numa mãe com 42 anos, idade que muitos consideram avançada. O tratamento para a fertilização in-vitro foi muito rápido e superou as nossas espectativas.

A Raquel entrou em trabalho de parto no dia 04 de julho, e o Mateus nasceu na madrugada do dia 05, na data do meu aniversário, e exatamente depois de 40 semanas da primeira consulta com o Dr. Arnaldo. Essa foi uma experiência única. E digo que ganhei um belo presente de aniversário para a vida toda.

Agradeço primeiramente a Deus por este imenso presente que recebi, o nascimento do Mateus. Deus seja louvado.

Agradecemos também a Deus por ter colocado em nosso caminho duas equipes médicas muito competentes.

A primeira equipe, liderada pelo Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi, que realizou a fertilização in-vitro, resultando em gravidez na primeira tentativa, e a segunda equipe liderada pelo Dr. Marcos Tadeu Garcia, que trouxe o pequeno Mateus para os nossos braços.

Que Deus abençoe ricamente os profissionais que compõe estas duas equipes médicas, e que outros casais também possam ser abençoados com o carinho e dedicação destes profissionais.

Comments

comments