Encontre-nos nas redes sociais:

Instagram da IPGO

Use o sistema de busca.

“O sucesso do tratamento de fertilização assistida não se restringe ao teste de gravidez positivo. Muito mais que isso, é a garantia de que a mãe e o bebê permanecerão saudáveis desde o início dos procedimentos até o nascimento da criança. Afinal, de nada adianta alcançar rapidamente a gravidez única, gemelar ou até mesmo tripla, se o tratamento e a gravidez provocarem complicações que levem ao comprometimento da saúde do bebê e da mãe durante o tratamento a que estiver sendo submetida”
Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi

“A felicidade não é um destino, mas uma escolha” – Suzana e Gustavo

Home » “A felicidade não é um destino, mas uma escolha” – Suzana e Gustavo

Sempre fui uma mulher de muitos sonhos, mesmo quando ainda era jovem. Queria muito estudar, viajar e me tornar uma profissional realizada. Corri atrás de tudo isso, com muita luta e com muito esforço, pois a procedência da minha família sempre foi humilde e tudo o que eu conquistei foi através do meu trabalho. Estudei muito, fiz muitas faculdades, trabalhei abusivamente e consegui viajar para a Europa, como sempre sonhei. O meu caso não é um desses em que a mulher dá prioridade por anos para a sua carreira profissional, deixando o sonho da maternidade de lado. Eu simplesmente pensava em ter filhos mais tarde, em um momento em que eu já estivesse madura o suficiente para encarar essa responsabilidade.

Por toda a minha vida sempre tive problemas relacionados à saúde da mulher. Por conta dos miomas, eu vivia em hospitais e consultórios médicos, realizando tratamentos para que o problema se resolvesse. Entrei na menopausa muito jovem, mas não fiquei entristecida porque tinha em mente que caso eu não conseguisse ter filhos naturalmente, partiria para adoção. Me casei já bem amadurecida, na menopausa e com uma idade avançada para uma gravidez, mas nunca me preocupei com a probabilidade de possíveis problemas relacionados ao meu desejo de um dia me tornar mãe.

Certa vez, ao conversar com um casal numa viagem, minha irmã falou do meu problema e do desejo que eu tinha de ser mãe. Em seguida, ele comentou que sua esposa teve que enfrentar a mesma situação, mas através de um tratamento com um especialista conseguiu engravidar. Entregou o cartão da clínica para a minha irmã, que logo me entregou, me incentivando a marcar uma consulta. Foi exatamente a partir daí que o Dr. Arnaldo passou a fazer parte da minha trajetória. Logo na primeira consulta, ele me explicou todo o tratamento e seus procedimentos. Como eu não tinha mais óvulos por conta da menopausa, foi sugerida uma Fertilização In Vitro através da ovodoação, ou seja, com óvulos de uma doadora. Pacientemente, me alertou que o resultado positivo na primeira tentativa não era garantido. Principalmente por conta da minha idade e de todos os problemas que eu sempre tive com os miomas, que por toda a vida insistiram em me perseguir. Como não se tratava de uma decisão simples, deu um tempo para que eu e meu marido pensássemos a respeito de tudo o que ele havia acabado de nos falar. Nós não tivemos nenhuma dificuldade em aceitar os óvulos de uma doadora. Meu marido sempre diz que não sabemos nem mesmo a nossa própria origem. Como eu já pensava em adoção, o fato de eu ter um filho sem a minha genética não me incomodou.

Logo retornamos ao Dr. Arnaldo, já decididos a dar início ao tratamento. Comecei a tomar os medicamentos receitados, e depois de um mês realizei a transferência dos embriões. Desde aquele momento eu tinha a certeza de que tudo daria certo. Não pensava na hipótese de um resultado negativo. Acreditava muito na vitória! É claro que mesmo com muita convicção de que nada daria errado, os 12 dias de espera para a certeza da gravidez não deixaram de ser terríveis. Jamais conseguiria transformar em simples palavras sentimentos tão complicados que tomam conta do nosso interior. Conta-se cada minuto com o coração coberto de ansiedade, que nos consome e nos faz perder os sentidos e o controle da situação. Chegado o dia, fui até o laboratório e fiz um exame de sangue. Com grande tristeza recebi o resultado negativo. Foi horrível! Uma dor incomparável a qualquer outra. Eu desabei em meio a muita angústia e decepção. Porém, mesmo todos aqueles sentimentos ruins que consumiam meu coração não foram capazes de tirar de mim o meu maior sonho. A luta continuaria, pois não desistiria jamais! Encarei aquela situação como um tombo e logo tratei de me levantar, respirar fundo e continuar a minha caminhada.

Na tentativa de melhorar os ânimos, eu e meu marido decidimos viajar para o litoral. Ele não conseguia se conformar com o resultado negativo, pois tinha certeza que eu estava grávida, mesmo depois de ter visto o resultado. Durante a viagem, por várias vezes me perguntou: “Você tem certeza que não está grávida?” Aquela viagem estava nos proporcionando bons momentos, mas logo foi interrompida com um sangramento incessante que eu tive. Voltamos para casa e eu fiquei de repouso. Achei aquilo natural e acreditava que o sangramento nada mais era do que os embriões saindo do meu corpo. Os questionamentos do meu marido permaneciam e ele não se cansava de falar: “Tem certeza que não tem ninguém aí dentro?” Cheguei até a me irritar, pois ainda estava muito abalada com o resultado negativo. Retornei à clínica e o Dr. Arnaldo me pediu para fazer um ultrassom dos meus miomas, a fim de analisar as minhas condições. Foi inclusive cogitada a possibilidade de uma videolaparoscopia para a retirada dos miomas, antes de uma nova tentativa de Fertilização In Vitro. Achei a idéia boa, até mesmo porque desta forma eu estaria cuidando tanto da minha saúde física quanto da minha saúde emocional. Um tempo de descanso antes de uma próxima tentativa seria a melhor opção para aquela circunstância.

Me dirigi até um laboratório para a realização do ultrassom. Durante o procedimento, o médico que me examinava olhou em meus olhos e disse: “Olha, me desculpe, mas você pode falar com o seu médico que será muito difícil você engravidar.” Eu fiquei decepcionada e até mesmo aborrecida com ele e lhe disse: “Não fala assim! Estou fazendo de tudo para dar certo! Estou querendo tanto! Tentando tanto! Não fale isso nem brincando!” Ele deu uma risadinha e revidou: “É que é muito difícil grávidas engravidarem!” Eu fiquei sem entender nada e logo ele me mostrou o coraçãozinho batendo. Eu fiquei espantada, inconformada, e lhe disse que tinha ido lá para ver os meus miomas! Em meio a muitos risos, ele confirmou a existência de todos os miomas, mas me disse que eu não faria nada com eles, que a partir daquele momento me preocuparia somente com a minha gravidez. Fiquei maravilhada e não conseguia acreditar no que tinha acabado de ouvir! Era um momento mágico!

Assim que saí do laboratório, liguei para o meu marido. Quando ele atendeu, eu disse: “Tem gente aqui.” Ele não entendeu muito bem e me perguntava: “Aonde você está? Quem está aí?” Aos risos, eu respondi: “Eu vim no laboratório para ver os miomas, mas descobri que tem gente aqui.” Ele ficou muito feliz e disse que tinha certeza que eu estava grávida, que não conseguia se conformar com o resultado negativo. Foi uma alegria muito grande poder compartilhar aquilo com ele. Chegando em casa, imediatamente liguei para a clínica dando a notícia. A princípio, assim como eu, todos acharam estranho e não acreditaram. O Dr. Arnaldo pediu que eu lhe explicasse melhor o que havia acontecido. Quando contei, percebi a sua alegria pelo resultado. O que tinha acabado de acontecer parecia uma mensagem de Deus mandada diretamente a mim, para que eu tivesse mais certeza do que nunca de que Ele é o Deus do impossível! Meu marido sempre me disse que a ciência é um milagre, porém um milagre intermediado por Deus.

Eu disse ao Dr. Arnaldo que os outros “anjinhos” me abandonaram e foram embora, mas que um quis ficar comigo. Quando fui até a clínica para fazer o ultra-som eu tive outra surpresa. Ao me examinar, o Dr. Arnaldo disse: “É, está tudo bem. Os seus dois anjinhos estão aqui!.” Fiquei atônita e sem reação. Ele me mostrou os dois coraçãozinhos batendo… quanta emoção e quanta surpresa para uma pessoa só! A possibilidade de eu engravidar de gêmeos era remota e jamais passou pela minha cabeça. Além de ter dado certo na primeira tentativa, vieram dois de uma vez só! Pretendia fazer uma surpresa para o meu marido, mas não agüentei. Liguei e disse que tinha algo importante para lhe contar. Falei: “Tem mais gente aqui.” A princípio ele não entendeu, mas logo desconfiou: “É o que eu estou pensando?” Eu confirmei e disse que mais um anjinho tinha ficado comigo, que na verdade eram dois. Ele ficou feliz e me deu os parabéns! A realização deste sonho era muito mais importante para mim, pois ele já tinha outro filho de um outro casamento. A busca era muito mais minha do que dele, mas sempre tive o seu apoio em tudo.

A minha gravidez foi muito conturbada, pois fiquei extremamente debilitada. Tive que ficar de repouso praticamente os oito meses e foi muito difícil. Nesse período, fui proibida de manter relações sexuais, pois poderiam ocasionar problemas na minha gestação. Isso interferiu muito, pois entrei em abstinência sexual antes, durante e depois da gravidez. Por mais que um casamento não se resuma em sexo, sabemos que esta é uma parte importante do relacionamento. Por conta de toda essa fase, fiquei insegura, sentia um ciúme muito além do normal e dei início a uma grande crise interior. O que mais me consolava sempre era saber que eu tinha dois anjinhos dentro de mim, que sempre me ouviam e sempre conversavam comigo.

Hoje, com minhas duas menininhas, não me arrependo de nada, mas aprendi que se queremos muito uma coisa, temos que ser fortes para enfrentar todos os obstáculos que são colocados em nosso caminho. Talvez, se eu não tivesse tanta certeza do que eu queria, hoje poderia ter me arrependido de tudo o que fiz, vendo que coloquei até mesmo o meu casamento em risco. Isso só não aconteceu comigo porque sempre fui muito determinada e o meu desejo de ser mãe estava acima de todas as coisas.

“Para a minha doadora, quero deixar um SUPER obrigada! Gostaria de te dar um beijo, um abraço, e te agradecer olhando em seus olhos. Você não tinha por que doar, mas doou, e com isso mudou a minha vida para sempre!”

“Para as mulheres que enfrentam hoje o que eu enfrentei, tenho uma mensagem: Se a gente não batalhar, os sonhos não vão acontecer. É normal termos problemas, o anormal é deixarmos os nossos sonhos de lado. Quando você abre mão dos seus sonhos, afirmando ser o destino, fica frustrada para o resto da vida. Você precisa se dar a oportunidade para poder ser feliz.

Comments

comments