Encontre-nos nas redes sociais:

Instagram da IPGO
Zika Vírus
Espaço Criança
11 Razões para o médico confiar seus pacientes ao IPGO

Use o sistema de busca.

“O sucesso do tratamento de fertilização assistida não se restringe ao teste de gravidez positivo. Muito mais que isso, é a garantia de que a mãe e o bebê permanecerão saudáveis desde o início dos procedimentos até o nascimento da criança. Afinal, de nada adianta alcançar rapidamente a gravidez única, gemelar ou até mesmo tripla, se o tratamento e a gravidez provocarem complicações que levem ao comprometimento da saúde do bebê e da mãe durante o tratamento a que estiver sendo submetida”
Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi

Cigarro prejudica mais a fertilidade do homem do que a da mulher

28 de julho de 2011
Home » Release » Cigarro prejudica mais a fertilidade do homem do que a da mulher

Leia na hora certa - Use o leitor QR Code e armazene este assunto para ler diretamente em seu Smartphone

No último congresso da Associação Americana de Reprodução Humana, realizado na Filadélfia entre os dias 16 e 20 de outubro de 2004, médicos israelenses publicaram um estudo onde se comprova que o cigarro afeta muito mais a fertilidade masculina do que a feminina.
Durante 18 meses, foram observados 264 pacientes fumantes e não-fumantes (casais que seriam submetidos à Fertilização In Vitro) e coletadas amostras de sêmen e fluído folicular, que é o líquido que envolve os óvulos no ovário. O número de cigarros consumidos foi anotado diariamente durante esse período.

Os resultados foram surpreendentes. Foi comprovado o comprometimento drástico da fertilidade dos homens que fumam, que tiveram altas concentrações de cotinine em suas amostras de sêmen, comprometendo a qualidade dos espermatozóides. Cotinine é uma substância derivada da nicotina, presente inclusive em fumantes passivos.

Os homens que possuíam a cotinine em uma dosagem alta, mais do que 20 ng/ml, apresentaram alterações na preparação do esperma e uma taxa de fertilização dos óvulos diminuída. Verificou-se que a taxa de fertilidade do casal, em que o marido fuma, é de apenas 44,9%, independente da mulher fumar ou não. Já quando o homem não é fumante, esta taxa sobe para 55%, aumentando as chances de sucesso dos tratamentos de Reprodução Assistida. O estudo observou também que, quanto maior o número de cigarros fumados, maior a quantidade de cotinine no esperma.

Nas mulheres fumantes, casadas com parceiros que não fumam, foram encontradas alterações menores na taxa de gravidez. Contudo, o estudo também mostrou que a mulher, ao fumar, tem maior chance de desenvolver um embrião com malformação cromossômica ou genética. “O fumo traz inúmeros prejuízos ao bem-estar feminino. Além de provocar inúmeras doenças e o envelhecimento precoce, o cigarro aumenta o risco de que a mulher tenha filhos com problemas cromossômicos e genéticos”, alerta Dr Arnaldo Cambiaghi, especialista em Infertilidade do Centro de Reprodução Humana do IPGO (Instituto Paulista de Ginecologia e Obstetrícia).

Estudos apresentados anteriormente já haviam demonstrado que as possibilidades de fracasso nas técnicas de fertilização assistida são duas ou três vezes mais altas no homem fumante. Porém, os resultados dessa última pesquisa surpreenderam porque além de constatar que o cigarro é mais prejudicial à fertilidade dos homens do que à das mulheres, comprovou essa conclusão através da análise da presença de cotinine no esperma. “Até então, poucos trabalhos haviam comprovado cientificamente os malefícios do fumo na fertilidade masculina”, esclarece Dr Arnaldo.

A cotinine, por ser proveniente da nicotina, está diretamente relacionada com a quantidade de cigarros que o indivíduo fuma. É usada em várias pesquisas, inclusive em estudos sobre a asma, quando sua dosagem é verificada na urina de crianças que convivem com adultos fumantes.

Informações à imprensa: LaVida Press
Tel. (11) 3057-1796 (11) 3057-1796
e-mail: jornalismo@lavidapress.com.br

Comments

comments