Encontre-nos nas redes sociais:

Instagram da IPGO

Use o sistema de busca.

DuoStim

Home » IPGO News » DuoStim
Agende sua Consulta

Um protocolo para mulheres com poucos óvulos

Leia na hora certa - Use o leitor QR Code e armazene este assunto para ler diretamente em seu Smartphone

Arnaldo Schizzi Cambiaghi

Rogério de Barros Ferreira Leão

 

“O IPGO realiza esta técnica na rotina de suas pacientes”

 

Após esta leitura, leia também:
Por que a fertilização in vitro pode falhar
Intralipid®
Os tratamentos de fertilização in vitro
Fertilização in vitro em mulheres maduras
Fertilização em mulheres com FSH elevado
Tratamentos que podem melhorar a fertilidade da mulher
Biópsia embrionária, PGS e CGH
“Amazenamento” de embriões
Home

 

O DuoStim, ou Double Stimulation (Dupla Estimulação), consiste num protocolo de estimulação ovariana onde são realizadas 2 coletas de óvulos no mesmo ciclo menstrual, aumentando, assim, o número de óvulos coletados.

 

Em um ciclo de fertilização in vitro (FIV) normalmente utiliza-se de uma estimulação ovariana para se obter um desenvolvimento folicular múltiplo e assim, conseguir uma quantidade mínima de óvulos que formem pelo menos um embrião de boa qualidade, de preferência blastocisto (embrião com 5 dias de desenvolvimento). Considerando que, mesmo com grande avanço da técnica, nem todos os óvulos são fertilizados e entre os embriões formados, nem todos serão de boa qualidade, recomenda-se a obtenção de pelo menos 6-8 oócitos maduros. Entretanto, uma parte das mulheres submetidas a um ciclo de FIV, mesmo com altas doses de medicações, recrutam um número pequeno de folículos, apresentando o que chamamos de uma má resposta, ou seja, quando são coletados 3 óvulos ou menos.

Uma opção é fazer mais de uma coleta para conseguir acumular um maior número de óvulos. Isso pode ser demorado, pois algumas poderão necessitar de várias coletas.

Uma alternativa é o protocolo Duostim. Desenvolvido pelo Prof. Kuang e por colaboradores da Shanghai Jiao Tong University, este protocolo propõe duas coletas num mesmo ciclo, sendo a segunda indução na fase lútea da primeira. Todos os embriões são congelados e transferidos em um ciclo natural subsequente ou após preparo endometrial com medicações.

No protocolo Chinês, na primeira estimulação, utiliza-se duas medicações via oral (citrato de clomifeno e letrozole) associada de dose baixa de gonadotrofinas injetáveis. O trigger é realizado com agonista do GnRH, a coleta realizada e dois dias após, reiniciado o estímulo com gonadotrofinas injetáveis associada a letrozole (Figura 2).

O uso simultâneo de citrato de clomifeno e letrozole parece ser vantajoso, pois essas medicações atuam por mecanismos diferentes para aumentar o FSH endógeno. O clomifeno bloqueia o receptor de estradiol, impedindo o feedback negativo do estradiol no hipotálamo e hipófise; e o letrozole inibe a produção de estradiol, indiretamente impedindo também esse feedback negativo. Com isso, há aumento do FSH endógeno, estimulando o desenvolvimento folicular, que juntos parecem ter ações sinérgicas, melhorando a resposta às medicações. A manutenção do clomifeno até o dia do agonista segue o princípio do mini-fiv, ou seja, esse bloqueio central dos receptores de estradiol impede também que o estradiol estimule o pico de LH. Na verdade, ele diminui a sensibilidade da hipófise ao pico de estradiol, importante pra desencadear o pico de LH, não precisando utilizar gonadotrofinas.

Após a demonstração de resultados com o protocolo chinês, novos autores propuseram novos esquemas de Duostim. A medicação para estimular os ovários pode ser variável de acordo com a experiência de cada profissional. Inicia-se a estimulação ovariana da forma usual, utiliza-se o bloqueio da ovulação com antagonista do GnRH e o trigger com agonista do GnRH.  Depois de 2 a  5 dias da coleta de óvulos, já se inicia um novo protocolo de estimulação com a mesma medicação (Figura 1).

Um estudo utilizando este protocolo observou maior número de óvulos maduros e embriões na segunda coleta e em um outro, não houve diferença no número de óvulos, óvulos maduros, embriões ou taxa de embrião euploides (geneticamente normais) comparando as duas coletas. Isso mostra que não é necessário esperar o próximo ciclo para estimular novamente os ovários e fazendo este protocolo, pode-se aumentar o número de óvulos obtidos.

O DuoStim pode ser útil em pacientes más respondedoras, aumentando o número de óvulos coletados num mesmo ciclo e, assim, aumentando a chance de gravidez.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Protocolos DuoStim do  IPGO

 

Abaixo, descrevemos duas opões de protocolos:

 

Figura 1. Protocolo Duostim (IPGO)

ipgo

 

 

Figura 2. Protocolo Chinês

 

ipgo2

 

Referências Bibliográficas:

 

Kuang Y, Chen Q, Hong Q, et al. Double stimulations during the follicular and luteal phases of poor responders in IVF/ICSI programmes (Shanghai protocol). Reprod Biomed Online. 2014 Dec;29(6):684-91.

 

Ubaldi FM, Capalbo A, Vaiarelli A, et al. Follicular versus luteal phase ovarian stimulation during the same menstrual cycle (DuoStim) in a reduced ovarian reserve population results in a similar euploid blastocyst formation rate: new insight in ovarian reserve exploitation. Fertil Steril. 2016 Jun;105(6):1488-1495.e1.

 

Zhang J. Luteal phase ovarian stimulation following oocyte retrieval: is it helpful for poor responders? Reprod Biol Endocrinol. 2015 Jul 25;13:76.

Comments

comments