Encontre-nos nas redes sociais:

Instagram da IPGO
Zika Vírus
Espaço Criança
11 Razões para o médico confiar seus pacientes ao IPGO

Use o sistema de busca.

Mensagem da Equipe IPGO

Home » Mensagem da Equipe IPGO

 Arnaldo Schizzi Cambiaghi

“O IPGO realiza esta técnica na rotina de suas pacientes”.

 

TituloLeia na hora certa – Use o leitor QR Code e armazene este assunto para ler diretamente em seu Smartphone

 

 

 

 

 

Após esta leitura, leia também:
Por que a fertilização in vitro pode falhar
Fertilização in vitro em mulheres maduras
“Amazenamento” de embriões
Intralipid®
Abortos podem ser evitados
Qual o custo?

 

Doadoras e Receptoras

 

“Bendito o fruto do vosso ventre”

acesse também: http://www.doacaodeovulos.com.br/

A doação de óvulos NÃO consiste em um simples ato de entrega desconhecida, mas SIM em uma atitude pensada e generosa com o objetivo maior de proteger, preservar, eternizar, restaurar e conservar a família e o amor” (Arnaldo Schizzi Cambiaghi)

Existem muitas causas de infertilidade, e a maioria delas é tratável. Medicamentos induzem a ovulação quando ela não for adequada; cirurgias recuperam problemas da anatomia do aparelho reprodutor quando houver alterações, como aderências pélvicas ou obstrução tubária; a endometriose é tratável pela videolaparoscopia; os espermatozoides, quando não estiverem presentes no sêmen, podem ser retirados do testículo por mini-intervenções cirúrgicas e, por fim, a fertilização in vitro (FIV) resolve quase todos os problemas.

Descobrir alguma dessas dificuldades causa uma dor maior ou menor no sentimento da mulher, e os tratamentos disponíveis para esses problemas aliviam o sofrimento. De todos os diagnósticos conhecidos, o mais difícil de ser aceito pela mulher é o da ausência de óvulos capazes de serem fertilizados, isto é, que o ovário não possui mais óvulos capazes de gerar filhos. É um momento de decepção, pois ela acredita que não será mais possível ser mãe. Esse fato pode acontecer em mulheres jovens, com falência ovariana prematura, também chamada de menopausa precoce; em casos de cirurgias mutiladoras, em que são retirados os dois ovários; em idade avançada, quando os óvulos produzidos não formam embriões de boa qualidade; ou na própria menopausa na idade certa (ao redor dos 50 anos), época em que não existem mais óvulos. Nos dias de hoje, cada vez mais as mulheres retardam o casamento e a busca de um filho por darem prioridade à sua formação e carreira profissional ou à conquista de bens materiais. Outras, após os 40 anos, reencontram uma vida afetiva feliz num segundo casamento com um homem sem filhos e que deseja uma família. Outras, o destino quis que casassem mais tarde.

Existem ainda casos de doenças genéticas e cromossômicas transmissíveis, e muitas vezes não é possível o diagnóstico pré-implantacional DPI.

Importante: O IPGO oferece o tratamento médico gratuito para o congelamento de óvulos para pacientes com câncer em idade reprodutiva e que desejam preservar sua fertilidade, pelo programa “PROGRAMA OS FRUTOS DA VIDA” – saiba mais www.osfrutosdavida.com.br.

Não importa o motivo. A solução para todos esses casos é a DOAÇÃO DE ÓVULOS. Essas mulheres podem ser mães e gerar seu(s) filho(s) no seu próprio ventre, tendo um bebê fruto dos espermatozoides do seu marido com um óvulo de uma mulher doadora.

O primeiro impacto dessa proposta de tratamento para essas pacientes é sempre de indignação, acompanhada de comentários como: “Dessa maneira não me interessa”, “Então esse filho não será meu”, “Essa criança não terá as minhas características, nem o meu DNA”, e outros. Estas afirmações são feitas por quase todas as mulheres numa fase inicial. Mesmo quando fornecemos uma vasta quantidade de informações necessárias para a compreensão desse processo, deixam a clínica frustradas e acreditando que desistirão de ter filhos para sempre. Mas, após um período de reflexão e conhecimento, retornam, aceitando essa opção para ter seus filhos. É muito gratificante cuidar desses casais, porque a tristeza que tinham por considerarem irreversível a sua fertilidade torna-se uma felicidade inesperada. A doação de óvulos é um tratamento sigiloso, que é do conhecimento exclusivo do médico e do casal. As doadoras devem ser anônimas, isto é, não podem ser da própria família nem conhecidas do casal. Devem ter semelhança física, tipo de sangue compatível e saúde física e mental comprovadas por exames. A incorporação do sentimento de mãe e o espírito de paternidade após a constatação do sucesso da gravidez é tão grande, que todos os casais após esse momento, mal se lembram de que a gestação foi conseguida por óvulos doados. O que importa para essas mães é que o bebê veio do seu próprio ventre. Ela dará à luz, e desse momento em diante, pelo resto de sua vida, aquele será SEU FILHO! Além disso, um estudo mostrou que crianças nascidas de óvulos doados demonstram menos problemas psicológicos que crianças que nasceram de útero de substituição e sem diferença em relação a crianças concebidas naturalmente, mostrando que a ausência de vínculo intrauterino afeta mais a criança que a ausência do link genético.

“Embora ninguém possa voltar atrás e fazer um novo começo, qualquer um pode começar agora e fazer um novo fim”.
(Chico Xavier)

 

IMPORTANTE:

Os critérios aceitos para definir quem pode ser doadora de óvulos são variáveis de acordo com a resolução vigente do CFM (Conselho Federal de Medicina) na época do procedimento.

 

Comments

comments