Encontre-nos nas redes sociais:

Instagram da IPGO
Zika Vírus
Espaço Criança
11 Razões para o médico confiar seus pacientes ao IPGO

Use o sistema de busca.

“O sucesso do tratamento de fertilização assistida não se restringe ao teste de gravidez positivo. Muito mais que isso, é a garantia de que a mãe e o bebê permanecerão saudáveis desde o início dos procedimentos até o nascimento da criança. Afinal, de nada adianta alcançar rapidamente a gravidez única, gemelar ou até mesmo tripla, se o tratamento e a gravidez provocarem complicações que levem ao comprometimento da saúde do bebê e da mãe durante o tratamento a que estiver sendo submetida”
Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi

Os micróbios que interferem na fertilidade

10 de junho de 2016
Home » IPGO News » Os micróbios que interferem na fertilidade

Leia na hora certa - Use o leitor QR Code e armazene este assunto para ler diretamente em seu Smartphone

 

OS MICRÓBIOS que interferem na fertilidade, nos tratamentos de fertilização assistida e na gravidez

 

Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi

 

inserir imagem

Os micróbios do organismo, que juntos são chamados de microbioma humano ou microbiotas são a coleção de trilhões de micróbios que vivem naturalmente no corpo humano e, provavelmente, desempenham papel importante em muitos processos básicos da vida.

O ser humano é o resultado dos genes provenientes de um espermatozoide e um óvulo que se juntaram e que receberam dos pais cerca de 20 mil genes. Este número é insignificante comparado aos 3,3 milhões de genes pertencentes às bactérias alojadas em nosso corpo, as quais exercem também a função de liberar micronutrientes essenciais e energia para o consumo diário, regular o sistema imunológico e proteger o nosso organismo contra germes virulentos (micróbios do “bem”). Entre eles está o Lactobacillus acidophilus que é também chamado de bactéria “amigável” pois protege contra a entrada e proliferação de organismos ruins que podem causar doenças. Outras bactérias amigáveis e também chamadas micróbios do “bem”, incluem: L. bulgaricus, L. reuteri, L. Gasseri, L. Iners, L. Crispatus, L. Jenseni, L. plantarum, L. casei, B. bifidus, S. salivarius, S. thermophilus e Saccharomyces boulardii. Por isso, a visão de que os germes são inimigos a ser combatidos, num mundo cada vez mais higiênico e estéril, pertence ao passado. A maioria dos micróbios associados aos seres humanos parecem não ser prejudicial, mas, sim, ajudar na manutenção de processos necessários para um corpo saudável. Tanto precisamos deles para sobreviver quanto eles dependem de nós. Eles são importantes para a nossa existência.

O ser humano é formado por 70 trilhões de células, em seu intestino existem 100 trilhões de bactérias. Os outros 600 trilhões são encontrados na pele (10 mil em cada dois centímetros), boca, cavidade nasal, seios da face e aparelho geniturinário.

Durante a gravidez, o bebê que ainda está no útero e deve se mantido em ambiente estéril, mas, no nascimento, os micróbios são adquiridos através do contato com os familiares e com os que os cercam, de modo que o microbioma irá adquirir características únicas, que nos distinguirão dos demais seres humanos, assim como nossa aparência física.

Micróbios do “mal”

A Vaginose Bacteriana

O interior do útero é geralmente considerado estéril, mas alguns estudos utilizando exames de cultura do endométrio (película que reveste o útero por dentro e onde o embrião se implanta) já demonstraram, neste local, crescimento de um ou mais microrganismos, com vários de micróbios, do “bem” e do “mal”. A Vaginose Bacteriana é uma infecção genital causada por bactérias e as que prejudicam a saúde da mulher, sua fertilidade e a própria gravidez. As principais bactérias são:

Gardnerella vaginalis: não é considerada uma doença sexualmente transmissível, uma vez que algumas dessas bactérias podem ser encontradas habitualmente no ser humano. No entanto, a transmissão ocorre também pelo contato íntimo ou relação sexual. A Vaginose é a causa mais comum do corrimento genital e a segunda causa da candidíase. Essa infecção desencadeia um desequilíbrio da flora vaginal fazendo com que a concentração de bactérias aumente. Atualmente, a Vaginose Baceteriana é considerada uma proliferação maciça de uma flora mista, que inclui Gardnella vaginallis, Peptoestreptococcus e Ureaplasma urealyticum.

O Ureaplasma urealyticum é uma bactéria que pertence à família de micoplasma. Pode ser detectado no tracto reprodutivo de um máximo de 40% dos indivíduos (homens e mulheres). O Ureaplasma provavelmente não impede a concepção normal na maioria dos casos, porque a cavidade uterina permanece estéril, mesmo em mulheres que possuem exames com o diagnóstico positivo para esta bactéria na mucosa vaginal;

Embora a infecção por Ureaplasma raramente produza sintomas na mulher, no homem pode causar prostatite ou epididimite. O Ureaplasma pode ser transmitido a partir de um parceiro para o outro através de relações sexuais. Assim, as secreções do sistema reprodutor de ambos os parceiros devem ser avaliadas (esperma e muco cervical) individualmente. Quando ureaplasma é detectado nas secreções reprodutivos de ambos os parceiros, os dois devem ser tratados concomitantemente com o antibióticos apropriados.

Clamidia: A clamídia é uma infecção genital, causada pela bactéria Chlamydia trachomatis, ou simplesmente clamídia. É uma infecção que afeta tanto homens quanto mulheres, e que também pode atingir os olhos. Se não for tratada, a clamídia pode ter consequências negativas para a saúde sexual e reprodutiva. É muito frequente que a clamídia seja assintomática, especialmente para mulheres. Isto quer dizer que 70 por cento das mulheres e 50 por cento dos homens não sentem absolutamente nada de diferente, mesmo estando infectados pela clamídia.
Mesmo quando há sintomas, é fácil confundi-los com os sintomas de outras doenças, como a candidíase ou a cistite. Quando a clamídia provoca sintomas, eles normalmente aparecem de uma a três semanas depois da contaminação. Eles podem perdurar por algum tempo ou ir embora em poucos dias. É importante tratar a clamídia se a paciente estiver tentando engravidar, para evitar que haja danos ao aparelho reprodutivo. Se a futura gestante já tiver consequências mais graves como a doença inflamatória pélvica, ela terá de ser tratada também para aumentar suas chances.
A clamídia é uma das causas da infertilidade masculina e feminina. Nos homens, a bactéria pode causar inflamações nos epidídimos (epididimite) e nos testículos (orquite), capazes de promover obstruções que impedem a passagem dos espermatozoides. Nas mulheres, o risco é a bactéria atravessar o colo uterino, atingir as trompas provocar a doença inflamatória pélvica (DIP). Esse processo infeccioso pode ser responsável pela obstrução das trompas e impedir o encontro do óvulo com o espermatozoide, ou então dar origem à gravidez tubária (ectópica), se o ovo fecundado não conseguir alcançar o útero. Mulher infectada pela Chlamyda trachomatis durante a gestação está mais sujeita a partos prematuros e a abortos. Nos casos de transmissão vertical na hora do parto, o recém-nascido corre o risco de desenvolver um tipo de conjuntivite (oftalmia neonatal) e pneumonia. Uma vez instalada a infecção, o tratamento consiste no uso antibióticos específicos.

Streptococcus B é uma bactéria que causa morte em bebês prematuros e que é desconhecida por muitas gestantes. Um exame laboratorial realizado até 48 horas antes do parto normal elimina o risco.
Sabe-se hoje que o Streptococcus é a bactéria mais frequentemente isolada dos quadros de sepse neonatal precoce, podendo ou não vir acompanhado de meningite, pneumonia, osteomielite, etc – quadro este não raro fatal.
Em 1970, este microrganismo chamado também de estreptococo beta hemolítico do grupo B, ou simplesmente SBB, emergiu como o principal patógeno em UTIs neonatais, causando elevada mortalidade nos recém-nascidos. Essa bactéria, descoberta há quase 100 anos, coloniza o intestino humano, sendo parte da flora intestinal normal, podendo ou não estar presente nas fezes. A partir do intestino o SBB pode se instalar no trato genital feminino (parede vaginal), sem apresentar qualquer sintomatologia clínica. O diagnóstico consiste em fazer duas culturas coletadas de locais diferentes: parede vaginal e ano-retal, e devem ser realizadas entre 35 e 37 semanas de gestação ou quando a mulher apresentar trabalho de parto ou ruptura de bolsa antes de 37 semanas. O resultado pode ser obtido em 30 horas ou menos, incluindo a prova de susceptibilidade aos antibióticos. Com esse resultado o ginecologista saberá qual paciente deve ser medicada e com qual antibiótico. Importante salientar que somente a cultura pode identificar as mulheres que realmente necessitam ser medicadas, e assim evitar o uso indiscriminado de antibióticos.
O antibiótico (penicilina) é a droga de escolha e deverá ser prescrita para as mulheres com cultura positiva para estreptococo do grupo B. Existe também a indicação de tratamento para parturientes em trabalho de parto antes de 37 semanas e que não tenham o resultado da cultura.

Esta bactéria está presente em cerca de 15 a 35% das gestantes ao longo da gravidez.

A Gonorreia é uma infecção causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae, transmitida por via sexual, altamente contagiosa. Geralmente afeta o colo do útero, mas pode estar presente na uretra, no reto ou na garganta. Pode ser assintomática ou provocar corrimento vaginal, dores e mal-estar urinário. A gonorreia também é uma das maiores causas de inflamação pélvica, que danifica as trompas de Falópio, levando à infertilidade e aumento da incidência da gravidez ectópica.

Na gravidez é perigosa para o bebê, especialmente se o nascimento for por parto normal, pois a criança pode ser contaminada pela bactéria presente na região genital da mãe infectada, correndo o risco de causar ao bebê conjuntivite neonatal e, por vezes, cegueira e infecção generalizada, com necessidade de tratamento intensivo.
Durante a gravidez, embora a probabilidade de o bebê ser infectado seja menor, a gonorréia está associada ao risco aumentado de aborto espontâneo, infecção do líquido amniótico, nascimento antes do tempo, rompimento prematuro de membranas e morte do feto.

No pós-parto há um risco acrescido de doença inflamatória pélvica e de disseminação da infecção com dores nas articulações e lesões na pele.

A Infertilidade e os tratamentos de reprodução assistida

Além dos danos à fertilidade e os risco de complicações na gestação, estes micróbios do ”mal” podem interferir no sucesso dos tratamentos de reprodução assistida, tanto na inseminação intrauterina como na fertilização in vitro, no momento em que se realiza a transferência dos embriões. Estes organismos podem ser levados para dentro da cavidade uterina por meio de introdução de um cateter para o interior do útero. Vários estudos têm apoiado a hipótese de que micróbios no sistema reprodutor no dia inseminação intrauterina ou da transferência de embriões afeta o resultado da gravidez Vários autores demonstraram uma diferença nas taxas de gravidez entre os pacientes com infecção ureaplasma que foram tratados com antibióticos e aqueles que não foram.

A importância dos exames antecipados e o uso dos antibióticos

Baseado no que foi dito recomenda-se que todo casal, principalmente as mulheres, que estiverem planejando engravidar ou que serão submetidos à tratamentos de fertilização assistida, que realizem exames laboratoriais específicos para a pesquisa destes micróbios prejudiciais à saúde. A constatação da presença destes micróbios do “mal” no sistema reprodutor da mulher antes da gravidez, seja ela natural ou pelas técnicas de fertilização assistida, implicará em um tratamento com antibióticos definidos para cada caso.

Referências bibliográficas:

• Aagaard K, Petrosino J, Keitel W, et al. The Human Microbiome Project strategy for comprehensive sampling of the human microbiome and why it matters. FASEB J 2013;27(3):1012–1022

• Antonio MA, Hawes SE, Hillier SL. The identification of vaginal Lactobacillus species and the demographic and microbiologic characteristics of women colonized by these species. J Infect Dis 1999;180(6):1950–1956

• Klein G, Pack A, Bonaparte C, Reuter G. Taxonomy and physiology of probiotic lactic acid bacteria. Int J Food Microbiol 1998;41(2): 103–125

• Mackie RI, Sghir A, Gaskins HR. Developmentalmicrobial ecology of the neonatal gastrointestinal tract. Am J Clin Nutr 1999;69(5): 1035S–1045S

• Mullard A. Microbiology: the inside story. Nature 2008;453 (7195):578–580 Peterson J, Garges S, Giovanni M, et al; NIH HMPWorking Group. The NIH Human Microbiome Project. Genome Res 2009;19(12): 2317–2323

• Reid G, McGroarty JA, Tomeczek L, Bruce AW. Identification and plasmid profiles of Lactobacillus species from the vagina of 100 healthy women. FEMS Immunol Med Microbiol 1996;15(1): 23–26

• Relman DA. New technologies, human-microbe interactions, and the search for previously unrecognized pathogens. J Infect Dis 2002;186(Suppl 2):S254–S258

• Relman DA, Falkow S. The meaning and impact of the human genome sequence for microbiology. Trends Microbiol 2001;9(5): 206–208

• Tärnberg M, Jakobsson T, Jonasson J, Forsum U. Identification of randomly selected colonies of lactobacilli from normal vaginal fluid by pyrosequencing of the 16S rDNA variable V1 and V3 regions. APMIS 2002;110(11):802–810

• Vásquez A, Jakobsson T, Ahrné S, Forsum U, Molin G. Vaginal lactobacillus flora of healthy Swedish women. J Clin Microbiol 2002;40(8):2746–2749

• Van Oostrum N, De Sutter P, Meys J, Verstraelen H. Risks associated with bacterial vaginosis in infertility patients: a systematic review and meta-analysis. Hum Reprod 2013;28(7):1809–1815

• YamamotoT, Zhou X,Williams CJ, Hochwalt A, Forney LJ. Bacterial populations in the vaginas of healthy adolescent women. J Pediatr Adolesc Gynecol 2009;22(1):11–18

• Zhou X, Bent SJ, Schneider MG, Davis Potential Influence of the Microbiome on Infertility and Assisted Reproductive Technology Ido Sirota, MD, MHA1 Shvetha M. Zarek, MD2 James H. Segars, MD2

Comments

comments