Encontre-nos nas redes sociais:

Instagram da IPGO
Zika Vírus
Espaço Criança
11 Razões para o médico confiar seus pacientes ao IPGO

Use o sistema de busca.

Mini – FIV

2 de dezembro de 2015
Home » Atualidades » Mini – FIV

Leia na hora certa - Use o leitor QR Code e armazene este assunto para ler diretamente em seu Smartphone

Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi

 

Contato: saude@ipgo.com.br
Tel. (11) 3885-4333

 

Após esta leitura, leia também:

1. Por que a fertilização in vitro pode falhar
2. “Armazenamento” de embriões
3. Os tratamentos de fertilização in vitro
4. Fertilização in vitro em mulheres maduras
5. Fertilização em mulheres com FSH elevado
6. Vitrificação
7. Tratamentos que podem melhorar a fertilidade da mulher e os resultados dos tratamentos de fertilização
8. Biópsia embrionária, PGD e CGH
9. Qual o custo?
10. Videos
11. Home

A Mini-FIV (Mini Fertilização In Vitro) é uma nova alternativa dos tratamentos de fertilização in vitro que torna o procedimento mais simples, oferece um custo financeiro reduzido e resultados semelhantes aos da FIV-Convencional. Baseia-se na hipótese já conhecida pela ciência que são suficientes não mais do que dois a três óvulos em uma estimulação ovariana para produzir embriões de boa qualidade. Este procedimento utiliza uma Mínima Estimulação Ovariana-MEO, com comprimidos e pouca medicação injetável. Esta estimulação mais leve se aproxima do planejamento da natureza, que mensalmente procura selecionar os melhores óvulos. As estimulações mais agressivas nas FIVs convencionais, que utilizam mais medicamentos, podem produzir um número maior de óvulos, porém, de pior qualidade. Assim, são formados embriões com chance menor de implantação e com risco maior de aborto.

O método simplificado foi idealizado pelo médico japonês Osmau Kato, Diretor do Kato Ladies Clinic, em Tóquio, Japão, e registrado com o nome de “Mini-IVF®” (Mini-In Vitro Fertilization), e introduzido nos Estados Unidos por John Zhang, do New Hope Fertility Center. Posteriormente, recebeu algumas modificações do professor Shermam Silber, do St. Luke´s Hospital in St. Louis.

Uma das grandes preocupações do IPGO é garantir às pacientes a excelência nos tratamentos, os melhores resultados, o mínimo desconforto e custos acessíveis. As despesas com medicamentos na Mini-FIV são de 30% a 40% menores que a FIV-Convencional.

Sabemos que quando os pacientes se interessam pelo tratamento de fertilização in vitro procuram informações sobre a FIV-Convencional e se preocupam com a necessidade das injeções diárias, aumento de peso, retenção de líquido, inchaço abdominal, alto custo financeiro e gestação múltipla, entre outras possibilidades – efeitos estes causados pelos hormônios que recebem nesse período. Esta nova estratégia realizada pelo IPGO simplifica o tratamento, diminui o número de óvulos recrutados (mas de melhor qualidade), reduz o desconforto, os efeitos colaterais e o custo financeiro e, principalmente, mantém praticamente a mesma taxa de gravidez. Nas “mulheres maduras” (idade ao redor dos 40 anos), a taxa de gravidez pode ser superior à FIV-Convencional.

Protocolos:

Protocolo-1: Shermam Silber do St. Luke’s Hospital in St. Louis.

No 3º dia do ciclo pré-menstrual, inicia-se uma dose baixa de Clomifene (50 mg/dia). Mas não apenas por cinco dias, como no método convencional. Essa medicação deve ser tomada diariamente até o folículo alcançar a medida pré-ovulatória (no stop). São adicionadas pequenas doses de FSH/LH-150 U.I. no 8º , no 10º e no 12º dia do ciclo. O Clomifene não só estimula a ovulação pelo aumento de FSH produzido pelo próprio organismo, mas também bloqueia o estímulo do LH, impedindo a ovulação prematura de forma semelhante aos agonistas e antagonistas (Lupron, Synarel, Gonapeptyl, Cetrotide e Orgalutran).

Assim, esse protocolo modificado estimula uma quantidade menor de folículos, mas produz óvulos de melhor qualidade. A maturação final dos óvulos é realizada com uma única dose de Synarel spray ou Lupron Kit injetável, eficientes e mais baratos.

Entretanto, devemos reconhecer o ponto fraco desse novo protocolo: o Clomifene prejudica a qualidade do endométrio, tornando-o pouco receptivo para a implantação embrionária e, por esta razão, tem sido pouco utilizado em tratamentos de alta complexidade. Problema que tem sido resolvido pelos avanços das técnicas de congelamento embrionário, que hoje se utilizam da Técnica de Vitrificação. Por ela, os embriões fertilizados no ciclo de indução devem ser transferidos em um próximo ciclo, quando o endométrio apresentar características ideais para a implantação. Pode ser em um ciclo natural ou preparado. A vitrificação proporciona taxas de gestação idênticas às de embriões “frescos”.

“Armazenamento” de embriões

Como alternativa, as induções podem ser repetidas, isto é, os óvulos são coletados em duas ou três induções diferentes, em meses seguidos ou não, fertilizados, congelados (vitrificados) e transferidos, de uma só vez, em um ciclo seguinte. Assim, utilizando-se menos medicação obtém-se um número maior de embriões em uma única transferência. Esta possibilidade é interessante por reduzir as pressões emocionais somadas nas várias tentativas que serão reduzidas á uma única transferência.

Protocolo- 2: IPGO

No 2º dia do ciclo menstrual, após confirmação da ausência de cistos nos ovários ou estrogênio no sangue, estando inferior a 50, inicia-se no 3º dia, a estimulação ovariana com 5mg de Letrozole (Femara) ao dia, por cinco dias. Preferimos a não utilização do Clomifene, pelos efeitos negativos causados ao endométrio já descritos anteriormente. Com isso torna-se possível a transferência dos embriões no mesmo ciclo, sem a necessidade de vitrificação dos mesmos e a transferência em outro mês. Entretanto, isso vai depender da resposta ovariana ao estímulo. No 8º dia é realizada uma nova avaliação pelo ultrassom e de acordo com a resposta da paciente, são adicionadas pequenas doses de FSH/LH-150 U.I., no 8º, no 10º e no 12º dia do ciclo. Nesse período também se acrescenta o hormônio antagonista do GnRH (Cetrotide ou Orgalutram), até o dia da ovulação, para impedir o pico de LH e a consequente ovulação antes do dia previsto.

Este protocolo envolve mais hormônios que o anterior, e por isso é um pouco mais caro, entretanto é mais seguro e possibilita a transferência dos embriões no mesmo ciclo.

Pense na parábola: se você está sentado debaixo de um pé de maçãs e deseja comer a melhor e mais saborosa delas, tem duas opções: pode cortar a árvore inteira e procurar entre todas as maçãs qual a melhor ou simplesmente balançar os galhos mais próximos de você e comer uma ou duas maçãs maduras que caírem.

A realização e o sucesso do Mini-FIV exige dedicação e conhecimento do profissional em estimulação ovariana, um laboratório de Reprodução Humana por onde circule ar puro controlado, sem toxinas e bactérias e que garanta um ambiente adequado para o desenvolvimento dos embriões, além de um Programa de Congelamento (vitrificação) de óvulos e embriões de alta qualidade. Essas características possibilitam uma transferência embrionária em ciclos posteriores sem prejuízo dos resultados. (Protocolo Dr Masashige Kuwayama).

Comparação entre FIV-Convencional e Mini-FIV

Os tratamentos de infertilidade têm demonstrado variações diferentes em todo o mundo. Gestações que eram impossíveis há algumas décadas acontecem agora com certa frequência. Atualmente, os tratamentos de fertilização in vitro podem ser divididos em dois capítulos: O FIV-convencional e a Mini-FIV (em inglês, Mni-IVF, marca registrada da Clínica New Hope Fertility, nos Estados Unidos). A comparação entre as duas pode ser feita, como mostrado a seguir.

A) FIV-Convencional
A fertilização in vitro convencional é realizada há mais de 30 anos e tem alcançado altos índices de sucesso, ajudando casais a realizarem o sonho da gestação. É utilizada em situações extremamente necessárias. O lado negativo é a quantidade excessiva de hormônios, que pode levar a desconfortos desagradáveis, como a retenção de líquido e inchaço abdominal, além da necessidade de injeções diárias, que causam um enorme transtorno ao casal.

B) Mínima Estimulação Ovariana (MEO) – Mini-FIV
A MEO tem demonstrado índices de gravidez comparáveis às do FIV-Convencional. Entretanto, pela quantidade mínima de medicamentos utilizados, este tratamento causa menos estresse, menos inchaço, menos retenção de líquido e menor custo financeiro, podendo ser 28% mais barato que a FIV-Convencional.

A Mini-FIV produz uma quantidade menor de óvulos (três a cinco no máximo), o que pode ser interessante para casais que não desejam congelar embriões e temem pelos efeitos colaterais das medicações.

Referências:

ZHANG, J. et al. Soft ovarian stimulation IVF (Mini–IVF) VS Conventional IVF: An economic perspective. Fertility & Sterility, v. 94, n. 4, p 317, september, 2010.
ZHANG, J. et al. Minimal ovarian stimulation (Mini-IVF) for IVF utilizing vitrification, and frozen single embryo transfer (SET). Fertility & Sterility, v. 94, n. 4, p 317, september, 2010.
New Hope Fertility Center. Disponível em: http://www.newhopefertility.com/. Acesso em: 20 de setembro, 2010.
The Infertility Center of Saint Louis. Disponível em: http://www.infertile.com/infertility-treatments/ivf-in-vitro-fertilization.htm.
Acesso em: 21 de setembro, 2010.
Minimal ovarian stimulation for ART, 6th World Congress on Ovulation Induction – Naples, Italy • 30 September – 2 October 2010, Fauser B (NL).

Leia também:

FIV em “mulheres maduras”
Ciclos Naturais em FIV (CN-FIV) – Ciclos Naturais modificados
Gestação em mulheres com FSH elevado
Vitrificação

Comments

comments