Encontre-nos nas redes sociais:

Instagram da IPGO
Zika Vírus
Espaço Criança
11 Razões para o médico confiar seus pacientes ao IPGO

Use o sistema de busca.

MINI-FIV PLUS

27 de novembro de 2015
Home » Atualidades » MINI-FIV PLUS

Leia na hora certa - Use o leitor QR Code e armazene este assunto para ler diretamente em seu Smartphone

Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi

 

Contato: saude@ipgo.com.br
Tel. (11) 3885-4333

Após esta leitura, leia também:

1. Por que a fertilização in vitro pode falhar
2. “Armazenamento” de embriões
3. Os tratamentos de fertilização in vitro
4. Fertilização in vitro em mulheres maduras
5. Fertilização em mulheres com FSH elevado
6. Vitrificação
7. Tratamentos que podem melhorar a fertilidade da mulher e os resultados dos tratamentos de fertilização
8. Biópsia embrionária, PGD e CGH
9. Qual o custo?
10. Videos
11. Home

 

MINI-FIV PLUS

 

Simples como a Mini – FIV – Original, mas produzindo o mesmo número de óvulos que a FIV clássica

Arnaldo Schizzi Cambiaghi

Não há dúvida que uma das preocupações mais comuns e responsável pelo estresse dos pacientes, frente aos tratamentos de Reprodução Assistida é a complexidade dos medicamentos, principalmente os injetáveis. Isto devido à disciplina imposta nos horários pré-determinados que devem ser respeitados, além do desconforto da dor, o custo destes medicamentos e o medo de nada dar certo. A MINI- FIV-PLUS é uma variação da MINI-FIV-Original com, a diferença é que esta produz a mesma quantidade de óvulos prevista em um tratamento clássico, a qual possui uma grande quantidade de medicamentos injetáveis a custo bastante elevado. A MINI-FIV-Original, já utilizada pelo IPGO e descrita no próprio site, utiliza menos medicamentos, mas reduz acentuadamente o número de óvulos coletados, o que, muitas vezes não é o mais indicado, como por exemplo, para as pacientes que optaram por realizar biópsia do embriões (PGD), doadoras de óvulos ou aquelas que, simplesmente, desejam ter mais óvulos para o seu tratamento.

Não há dúvidas que uma reclamação frequente destas mulheres é o fato de precisarem tomar injeções diárias durante alguns dias, embora este período normalmente não ultrapasse os 10 dias.

Este método simplificado foi idealizado inicialmente pelos médicos chineses J. Dong, Q. Chen e Y. Wang da University School of Medicine, (Department of Assisted Reproduction, Shanghai, China) mas recebeu algumas modificações introduzidas por mim e pelo corpo clínico do IPGO. Foram inspiradas também nas recentes publicações da Reprogenetics (Quadro-1) e Lee JA (ASRM 2015, Baltimore) que demonstram que o número de óvulos em maior quantidade pode ser interessante e não aumenta as chances de embriões com alterações cromossômicas (aneuploidias).

tabela

 

Uma das grandes preocupações do IPGO é garantir às pacientes a excelência nos tratamentos, os melhores resultados, o mínimo desconforto e custos acessíveis.

Sabemos que quando os pacientes se interessam pelo tratamento de fertilização in vitro, procuram informações sobre a FIV-Convencional e se preocupam com a necessidade das injeções diárias, alto custo financeiro, entre outras possibilidades. Esta nova estratégia realizada pelo IPGO simplifica o tratamento, reduz o desconforto (para aquelas que sofrem com as picadas diárias das injeções), diminui o custo financeiro e mantém a mesma quantidade de óvulos que uma FIV convencional.

O Protocolo – Mini-FIV-Plus

Diferente da FIV-Clássica que utiliza ao redor de 16 injeções, a MINI-FIV – PLUS utiliza somente duas injeções podendo chegar, no máximo, a cinco;

No 3º dia do ciclo menstrual, inicia-se uma dose diária de comprimido simples chamado Medroxiprogesterona (nome comercial= Provera)* o qual deverá ser tomado diariamente até o folículo alcançar a medida pré-ovulatória (no stop). Neste mesmo 3º dia, é aplicado em dose única o medicamento Corifolitropina alfa (Elonva). A Medroxiprogesterona inibe o pico do hormônio LH, o que impede a ovulação prematura de forma semelhante aos agonistas e antagonistas (Lupron, Synarel, Gonapeptyl, Cetrotide e Orgalutran). O pico do hormônio LH é o responsável por desencadear o processo ovulatório.

*A Medroxiprogesterona pode ser utilizada em outros protocolos de indução da ovulação.

A Corifolitropina alfa (Elonva) é uma injeção única de FSH de ação prolongada que vale por 7 dias de aplicação e substitui as aplicações diárias neste período. É administrado em dose única por injeção subcutânea. As mulheres que pesam 60 kg ou menos devem receber uma dose de 100 microgramas, ao passo que as mulheres que pesam mais de 60 kg devem receber uma dose de 150 microgramas.

Sete dias após a injeção do Elonva, no caso de ser necessário uma estimulação ovariana adicional, recomenda-se administrar injeções diárias de outro medicamento semelhante que contenha FSH e LH (Menopur e Pergoveris).

Por último, logo que três folículos estejam próximos da maturação, é administrada uma única injeção do Agonista GnRH e a coleta dos oócitos será realizada 34 a 36 horas depois. Segue-se a fertilização e vitrificação para posterior transferência em época oportuna.

Devemos reconhecer o ponto fraco desse novo protocolo: a Medroxiprogesterona prejudica a qualidade do endométrio, tornando-o pouco receptivo para a implantação embrionária e, por esta razão, recomenda-se o congelamento embrionário (Vitrificação). Desta forma,os embriões fertilizados no ciclo de indução devem ser transferidos em um próximo ciclo, quando o endométrio apresentar características ideais para a implantação. Pode ser em um ciclo natural ou preparado. A vitrificação proporciona taxas de gestação idênticas às de embriões “frescos”.

tabela2

 

Referências Bibliográficas:

*Ata B, Kaplan B, Danzer H, Glassner M, Opsahl M, Tan SL, Munné S. Array CGH analysis shows that aneuploidy is not related to the number of embryos generated. Reprod Biomed Online. 2012 Jun;24(6):614-20.
*Boostanfar R, Shapiro B, Levy M, Rosenwaks Z, Witjes H, Stegmann BJ, et al. Large, comparative, randomized double-blind trial confirming non inferiority of pregnancy rates for corifollitropinalfa compared with recombinant follicle-stimulating hormone in a gonadotropin-releasing hormone antagonist controlled ovarian stimulation protocol in older patients undergoing in vitro fertilization. FertilSteril. 2015 Jul;104(1):94-103.e1
*Decleer W, Osmanagaoglu K, Meganck G, Devroey P. A new approach for ovarian stimulation in IVF using Corifollitropin Alfa in combination with GnRH analogues to trigger final oocyte maturation. A pilot study. Facts Views Vis Obgyn. 2014;6(3):159-65.
*Eisenberg ML, Smith JF, Millstein SG, Nachtigall RD, Adler NE, Pasch LA, et al; Infertility Out comes Program Project Group.
*Fatemi HM, Doody K, Griesinger G, Witjes H, Mannaerts B. High ovarian response does not jeopardize ongoing pregnancy rates and increases cumulative pregnancy rates in a GnRH-antagonist protocol. HumReprod. 2013 Feb;28(2):442-52.
*Goldfarb J, Austin C, Lisbona H, Loret de Mola R, Peskin B, Stewart S. Factors influencing patients’ decision not to repeat IVF. J AssistReprodGenet 1997;14:381-4.
*Lee JA, Karvir H, YurtasBeim P, Copperman AB. Optimizing gonadotropin stimulation to maximize the likelihood of obtaining euploid embryos. FertilSteril. 2015;104(3):e62.
*Osmanangaoglu K. Patient drop out in assisted reproductive technology program: Implication for pregnancy rates. Hum Reprod 2002;17:2651-5.
*Pouwer AW, Farquhar C, Kremer JA. Long-acting FSH versus daily FSH for women under going assisted reproduction. Cochrane Database Syst Rev. 2015 Jul 14;7:CD009577.
*Predictors of not pursuing infertility treatment after an infertility diagnosis: Examination of a prospective U.S. cohort. FertilSteril 2010;94:2369-71.
*Rajkhowa M, McConnell A, Thomas GE. Reasons for discontinuation of IVF treatment: A questionnaire study. Hum Reprod2006;21:358-63.
*Schroder AK. Patientdropout in anassisted reproductive technology program: Implication for pregnancy rates. RBM Online 2004;5:600-06.
*Gleicher N, Vanderlaan B, Karande V, Morris R, Nadherney K, Pratt D. Infertility treatment drop out and insurance coverage. ObstetGynecol 1996;88:289-93.
*Van den Broeck U, Holvoet L, Enzlin P, Bakelants E, Demyttenaere K, D’Hooghe T. Reasons for dropout in infertility treatment. Gynecol Obstet Invest 2009;68:58-64.
*Gameiro S, Boivin J, Peronace L, Verhaak CM. Why do patients discontinue fertility treatment system atic review of reasons and predictors of discontinuation in fertility treatment. Hum Reprod Update 2012;18:652-69.
*Verpoest W, Haentjens P, De Rycke M, Staessen C, Sermon K, Bonduelle M, Devroey P, Liebaers I. Cumulative reproductive outcome after pre implantation genetic diagnosis: a report on 1498 couples. HumReprod. 2009 Nov;24(11):2951-9

Leia também:

FIV em “mulheres maduras”
Ciclos Naturais em FIV (CN-FIV) – Ciclos Naturais modificados
Gestação em mulheres com FSH elevado
Vitrificação

Comments

comments