Encontre-nos nas redes sociais:

Instagram da IPGO
Zika Vírus
Espaço Criança
11 Razões para o médico confiar seus pacientes ao IPGO

Use o sistema de busca.

“O sucesso do tratamento de fertilização assistida não se restringe ao teste de gravidez positivo. Muito mais que isso, é a garantia de que a mãe e o bebê permanecerão saudáveis desde o início dos procedimentos até o nascimento da criança. Afinal, de nada adianta alcançar rapidamente a gravidez única, gemelar ou até mesmo tripla, se o tratamento e a gravidez provocarem complicações que levem ao comprometimento da saúde do bebê e da mãe durante o tratamento a que estiver sendo submetida”
Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi

O glúten pode causar infertilidade

23 de junho de 2016
Home » Destaques » O glúten pode causar infertilidade

Leia na hora certa - Use o leitor QR Code e armazene este assunto para ler diretamente em seu Smartphone

 Por: Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi

 

Casais com infertilidade e abortos inexplicados devem fazer rastreamento para a doença celíaca

 

A intolerância ao glúten, chamada doença celíaca, é uma doença inflamatória crônica, caracterizada por intolerância ao glúten contido no trigo e em cereais afins. O glúten representa 80% das proteínas do trigo e é composto pela mistura de gliadina e glutenina.
A doença celíaca é causada por uma resposta imunológica do organismo mas, apesar de ser frequentemente chamada de alergia ao glúten, não é um processo alérgico, e sim autoimune que compromete a mucosa intestinal dificultando a absorção de nutrientes. Os sintomas característicos são a diarreia, vômito, perda de peso, dor abdominal, aumento de gases, “estufamento” e perda de apetite.
Entretanto nem sempre apresenta este quadro clínico tão bem definido. Podem ter sintomas exclusivos de infertilidade feminina e masculina devido a seus múltiplos efeitos na nutrição nos fatores de imunidade e nos hormônios ou estar associada aos sintomas característicos acima descritos. Os mecanismos não são totalmente claros, mas a infertilidade nestes casos é alta e normalmente reversível com o controle rígido da dieta.
O que se sabe hoje é que a doença celíaca provoca má absorção de nutrientes importantes para o sistema reprodutor, como ferro, ácido fólico, vitamina K, B12, B6 e outras vitaminas lipossolúveis, que poderiam ser também responsáveis por malformações congênitas.

A infertilidade e os abortos podem ser os únicos sinais da doença

Muitas vezes o único sinal da doença, que é muitas vezes negligenciado, é a presença de subfertilidade ou a infertilidade, uma vez que muitas pesquisas apontam uma ligação entre sensibilidade ao glúten e desordens reprodutivas na mulher. Alguns estudos demonstraram que a prevalência de doença celíaca em mulheres com fertilidade inexplicada é maior do que a população em geral. A doença celíaca é demonstrada em cerca de 1% da população geral enquanto nas mulheres, com infertilidade inexplicada, a prevalência é de até 8%. Portanto, é recomendável que, em mulheres com infertilidade inexplicada, faça-se o rastreamento esta doença.

Sem título

Mulheres com sintomas discretos da doença celíaca podem ainda apresentara primeira menstruação numa fase tardia da vida (menarca tardia), menopausa precoce e ainda maior frequência de amenorreia secundária (falta de menstruação). Além disso, mesmo nos casos em que a gravidez é obtida, tem sido demonstrado que, em mulheres com doença celíaca não tratadas, a taxa de aborto espontâneo é maior que a encontrada na população geral; nestes casos o risco relativo de aborto múltiplo e recém-nascidos de baixo peso é 8-9 vezes maior do que o da população geral.
Homens com doença celíaca podem ter disfunção gonadal, o que poderia levar a problemas de fertilidade.
As mulheres são diagnosticadas com muito mais frequência do que os homens: Até 70% das pessoas diagnosticadas com a doença são do sexo feminino, em parte porque mais mulheres do que homens realmente têm a doença, e em parte porque as mulheres são mais propensos a procurar um diagnóstico para os seus problemas de saúde. A infertilidade pode ser um sinal da doença.

 

Cólicas e Endometriose

Pesquisas tem sido realizadas para avaliar a ligação entre a doença celíaca, a dor menstrual crônica e a endometriose e, algumas delas, indicaram que é provável esta conexão . Na verdade, um estudo abrangente de problemas reprodutivos em mulheres com doença celíaca descobriu que quase 5% das mulheres citaram “transtornos do ciclo menstrual” como seus principais sintomas da doença celíaca.
Embora haja poucas pesquisas sobre a incidência desse tipo de dor menstrual em mulheres com doença celíaca, um trabalho científico publicado mostrou alívio de cólicas menstruais dolorosas e dor pélvica em uma mulher que foi diagnosticado com a doença celíaca e começou a seguir a dieta sem glúten.
Curiosamente, tem havido vários relatos de mulheres que sofriam de cólicas menstruais extremamente dolorosas que melhoraram ou desapareceram quando elas foram diagnosticadas com a doença celíaca e começaram a comer dieta sem glúten.
Portanto, a endometriose pode também estar relacionada com doença celíaca.
Endometriose é uma condição em que as células uterinas crescem fora do útero e podem causar dor pélvica crônica, forte cólica menstrual, dor durante a relação sexual e até mesmo distúrbios do sono. No entanto, em alguns casos, a endometriose não tem nenhum sintoma óbvio e é muitas vezes descoberta durante os testes para a infertilidade. Embora existam poucos estudos sobre possíveis ligações entre a doença celíaca e endometriose, alguns relatos de mulheres com doença celíaca, indicam que a endometriose pode ser mais comum nestas mulheres com doença celíaca do que na população em geral. Estudos demonstraram que a doença celíaca é quatro vezes mais comum em mulheres com endometriose.

SINTOMAS DA DOENÇA COM QUADRO CLÍNICO EVIDENTE

• Diarreia
• Vômito
• Perda de peso
• Dor abdominal
• Aumento de gases
• Estufamento
• Perda de apetite

SINTOMAS DA DOENÇA COM QUADRO CLÍNICO “NÃO PERCEBIDO”

Efeitos na fertilidade na mulher

• Atraso puberal
Amenorreia
Endometriose
Abortos espontâneos
• Presença de aftas frequentes e dolorosas
• Menopausa precoce

Efeitos na fertilidade no homem

• Espermatozoides anormais (forma alterada e número reduzido)
• Níveis mais baixos de testosterona.

Efeitos na gestação

• Anemia grave
Ameaça de aborto
• Descolamento prematuro da placenta
• Hipertensão arterial e retardo de crescimento intrauterino
• Abortos recorrentes
• Recém-nascido com baixo peso ao nascer
• Natimortos
• Redução na duração da lactação

Outros problemas

• Anemia
• Osteoporose
Distúrbios da tireóide

Exames:

Anticorpos a serem pesquisados:

• anti-TTG (Anticorpo antitransglutaminase)
• anti-EMA (Anticorpo antiendomísio)
• Anticorpo antigliadina
• IgA (se estiver baixo poderá confundir um falso negativo)

Teste genético:

• HlA-DQ2 e/ou DQ8.

A grande maioria dos pacientes celíacos e 30% da população geral apresentam HLA-DQ2 e/ou DQ8. Assim, a presença de um desses dois alelos tem boa sensibilidade, mas baixa especificidade

Tratamento

O tratamento baseia-se exclusivamente na dieta alimentar. Deve se excluir do cardápio produtos industrializados com a presença de glúten como pães, bolos, bolachas, macarrão, coxinhas, quibes, pizzas, cervejas, whisky, vodka,etc, quando estes alimentos possuírem o glúten em sua composição ou processo de fabricação. Um desafio para aqueles que adoram este tipo de comida. Devido a exclusão total de alguns alimentos ricos em carboidratos e fibras, esta dieta e é composta em sua maior parte de gorduras (margarina, manteigas, óleos, etc) e proteínas (carne em geral) e em menor parte de carboidratos (massas sem glúten, açúcares, etc). Todo Celíaco que não transgride a doença tende a ter um aumento do peso corporal, e desta forma deve ter uma dieta equilibrada. Para tanto, deve diminuir a ingestão de proteínas, moderar o consumo de gorduras e aumentar o consumo de frutas, sucos naturais, verduras e legumes, tornando sua alimentação mais adequada e saudável. O Malte, muito questionado, é um produto da fermentação da cevada, portanto apresenta também uma fração de glúten. Os produtos que contenham malte, xarope de malte ou extrato de malte não devem ser consumidos pelos Celíacos. O glúten não desaparece quando os alimentos são assados ou cozidos, e por isto uma dieta deve ser seguida à risca.

Conclusão

Altas taxas de infertilidade em mulheres com doença celíaca

Estudos encontraram taxas de doença celíaca em cerca de 4% em mulheres com infertilidade inexplicável.

Infertilidade ou aborto inexplicado? Considerar pesquisar Intolerância ao Glúten – Doença Celíaca

Muitos pesquisadores e médicos recomendam que você seja rastreada para a doença celíaca se tiver infertilidade inexplicada.

 

Referências

1. Stepniak D, Koning F. Celiac disease – sandwiched between innate and adaptative immunity. Hum Immunol. 2006;67(6):460-8.
2. Rewers M. Epidemiology of celiac disease: what are the prevalence, incidence, and progression of celiac disease? Gastroenterology. 2005;128(4 Suppl 1):S47-51.
3. Gandolfi L, Pratesi R, Córdoba JC, Tauil PL, Gasparin M, Catassi C. Prevalence of celiac disease among blood donors in Brazil. Am J Gastroenterol. 2000;95(3):689-92.
4. Pratesi R, Gandolfi L, Garcia SG, Modelli IC, Lopes de Almeida A, Bocca AL, et al. Prevalence of coeliac disease: unexplained age-related variation in the same population. Scand J Gastroenterol. 2003;38(7):747-50.
5. Green HR, Jabri B. Celiac disease. Annu Rev Med. 2006;57:207-21.
6. Ferguson R, Holmes GK, Cooke WT. Coeliac disease, fertility, and pregnancy.Scand J Gastroenterol. 1982;17(1):65-8.
7. Molteni N, Bardella MT, Bianchi PA. Obstetric and gynecological problems in women with untreated celiac sprue. J Clin Gastroenterol. 1990;12(1):37-9.
8. Sher KS, Mayberry JF. Female fertility, obstetric and gynaecological history in coeliac disease: a case control study. Acta Paediatr Suppl. 1996;412:76-7.
9. Smecuol E, Maurino E, Vazquez H, Pedreira S, Niveloni S Mazure R, et al. Gynaecological and obstetric disorders in coeliac disease: frequent clinical onset during pregnancy or the puerperium. Eur J Gastroenterol Hepatol. 1996;8(1):63-89.
10. Ciacci C, Cirillo M, Auriemma G, Di Dato G, Sabbatini F, Mazzacca G. Celiac disease and pregnancy outcome. Am J Gastroenterol.1996;91(4):718-22.
11. Norgard B, Fonager K, Sorensen HT, Olsen J. Birth outcomes of women with celiac disease: a nationwide historical cohort study. Am J Gastroenterol. 1999;94(9)2435-40.
12. Martinelli P, Troncone R, Paparo F, Torre P, Trapanese E, Fasano C, et al. Coeliac disease and unfavorable outcome of pregnancy. Gut. 2000;46(3):332-5.
13. Gasbarrini A, Sanz Torre E, Trivellini C, De Carolis S, Caruso A, Gasbarrini G. Recurrent spontaneous abortion and intrauterine fetal growth retardation as symptoms of coeliac disease. Lancet. 2000;356(9227):399-400.
14. Dickey W, Stewart F, Nelson J, McBreen G, McMillan SA, Porter KG. Screening for coeliac disease as a possible maternal risk factor for neural tube defect. Clin Genet. 1996;49(2):107-8.
15. Kolho KL, Tiitinen A, Tulppala M, Unkila-Kallio L, Savilahti E. Screening for coeliac disease in women with history of recurrent miscarriage or infertility. Br J Obstet Gynaecol. 1999;106(2):171-3.
16. Tata LJ, Card TR, Logan RF, Hubbard RB, Smith CJ, West J. Fertility and pregnancy-related events in women with celiac disease: a population-based cohort study. Gastroenterology. 2005;128(4):849-55.
17. Greco L, Veneziano A, Di Donato L, Zampella C, Pecoraro M, Paladini D, et al. Undiagnosed coeliac disease does not appear to be associated with unfavourable outcome of pregnancy. Gut. 2004;53 (1):149-51.
18. Collin P, Vilska S, Heinonen PK, Hällström O, Pikkarainen P. Infertility and coeliac disease. Gut. 1996:39(3):382-4.
19. Meloni GF, Dessole S, Vargiu N, Tomasi PA, Musumeci S. The prevalence of coeliac disease in infertility. Hum Reprod. 1999;14(11)2759-61.
20. Stazi AV, Mantovani A. A risk factor for female fertility and pregnancy: celiac disease. Gynecol Endocrinol. 2000;14(6):454-63.
21. Shamaly H, Mahameed A, Sharony A, Shamir R. Infertility and celiac disease: do we need more than one serological marker? Acta Obstet Gynecol Scand. 2004;83(12):1184-8.
22. Tiboni GM, de Vita MG, Faricelli R, Giampietro F, Liberati M. Serological testing for celiac disease in women undergoing assisted reproduction techniques. Hum Reprod. 2006;21(2):376-9.
23. Chorzelski TP, Beutner EH, Sulej J, Tchorzewska H, Jablonska S, Kumar V, et al. IgA anti-endomysium antibody. A new immunological marker of dermatitis herpetiformis and coeliac disease. Br J Dermatol. 1984;111(4):395-402.
24. Marsh MN. Gluten, major histocompatibility complex, and the small intestine. A molecular and immunobiologic approach to the spectrum of gluten sensitivity (‘celiac sprue’). Gastroenterology. 1992;102(1): 330-54.
25. Evers JL. Female subfertility. Lancet. 2002;360 (9327):151-9.
26. Rostami K, Steegers EA, Wong WY, Braat DD, Steegers-Theunissen RP. Coeliac disease and reproductive disorders: a neglected association. Eur J Obstet Gynecol Reprod Biol. 2001;96(2):146-9.
27. Bustos D, Moret A, Tambutti M, Gogorza S, Testa R, Ascione A, et al. Autoantibodies in Argentine women with recurrent pregnancy loss. Am J Reprod Immunol. 2006;55(3):201-7.
28. Ventura A, Magazzu G, Greco L. Duration of exposure to gluten and risk for autoimmune disorders in patients with celiac disease. SIGEP Study Group for Autoimmune Disorders in Celiac Disease. Gastroenterology. 1999;117(2):297-303.
29. Catassi C, Rätsch IM, Gandolfi L, Pratesi R, Fabiani E, El Asmar R, et al. Why is coeliac disease endemic in the people of the Sahara? Lancet. 1999;354(9179): 647-8.
30. Cataldo F, Lio D, Simpore J, Musumeci S. Consumption of wheat foodstuffs not a risk for celiac disease occurrence in Burkina Faso. J Pediatr Gastroenterol Nutr. 2002;35(2):233-4.
31. Gregory C, Ashworth M, Eade OE, Holdstock G, Smith CL, Wright R. Delay in diagnosis of adult coeliac disease. Digestion. 1983;28(3):201-4.
32. Lankisch PG, Martinez Schramm A, Petersen F, Droge M, Lehnick D, Lembcke B. Diagnostic intervals for recognizing celiac disease. Z Gastroenterol. 1996;34(8):473-7.
33. Pietzak M. Follow-up of patients with celiac disease: achieving compliance with treatment.Gastroenterology.2005;128:S135-41.
34. Ferguson A, Arranz E, O’Mahony S. Clinical and pathological spectrum of coeliac disease – active, silent, latent,potential. Gut 1993; 34: 150-1.
35. Collin P, Hallstr6m 0, Maki M, Viander M, Keyrilainen 0. Atypical coeliac disease found with serologic screening. ScandJ3 Gastroenterol 1990; 25: 245-50.
36. Catassi C, Ratsch IM, Fabiani E, et al. Coeliac disease in the year 2000: exploring the iceberg. Lancet 1994; 343:200-3.
37. Ferguson R, Holmes GKT, Cooke ‘WT. Coeliac disease,fertility and pregnancy. Scand J Gastroenterol 1982; 17:65-8.
38. Molteni N, Bardella MT, Bianchi PA. Obstetric and gynaecological problems in women with untreated celiac sprue. J Clin Gastroenterol 1990; 12: 37-9.
39. Sher KS, MayberryJF. Female fertility, obstetric and gynaecological history in coeliac disease. A case control study. Digestion 1994; 55: 243-6.
40. Hallstrom 0. Comparison of IgA-class reticulin and endomysium antibodies in coeliac disease and dermatitis herpetiformis. Gut 1989; 30: 1225-32.
41. FerreiraM, Davies SL, ButlerM, ScottD, ClarkM, KumarP. Endomysial antibody: is it the best screening test for coeliac disease? Gut 1992; 33: 1633-7.
42. Vainio E, Kalimo K, Reunala T, Viander M, Palusuo T. Circulating IgA- and IgG-class antigliadin antibodies in dermatitis herpetiformis detected by enzyme-linked immunosorbent assay. Arch Dermatol Res 1983; 275: 15-8.
43. Maki M. The humoral immune system in coeliac disease. Baillieres Clin Gastroenterol 1995; 9: 231-49.
44. Hed J, Lieden G, Ottosson E, et al. IgA anti-gliadin antibodies and jejunal mucosal lesions in healthy blood donors. Lancet 1986; ii: 215.
45. Auricchio S, Greco L, Troncone R. What is the true prevalence of coeliac disease? Gastroenterol Int 1990; 3:140-2.
46. Uibo 0, Uibo R, Kleimola V, J6gi T, Mali M. Serum IgA anti-gliadin antibodies in an adult population sample. High prevalence without celiac disease. Dig Dis Sci 1993;
38: 2034-7.
47. Farthing MJG, Rees LH, Edwards CRW, Dawson AM. Male gonadal function in coeliac disease: 2. Sex hormones. Gut 1983; 24: 127-35.
48. Sher KS, Jayanthi V, Probert CS, Stewart CR, Mayberry JF. Infertility, obstetric and gynaecological problems in coeliac sprue. Dig Dis 1994; 12: 186-90.
49.Collin P, Reunala T, Pukkala E, Laippala P, Keyrilainen 0, Pastemack A. Coeliac disease – associated disorders and survival. Gut 1994; 35: 1215-8.
50. Hagander B, Berg N, Brandt L, Norden A, Sj6lund K,Stenstam M. Hepatic injury in adult coeliac disease.Lancet 1977; i: 270-2.
51.Aine L, Maki M, Collin P, Keyrilainen 0. Dental enamel defects in celiac disease. Jf Oral Pathol Med 1990; 19: 241-5.
52. Gobbi G, Bouquest F, Greco L, et al. Coeliac disease, epilepsy and cerebral calcifications. Lancet 1990; 340: 439-43.
53.McCann JP, Nicholls DP, Verzin JA. Adult coeliac disease presenting with infertility. Ulster MedJ 1988; 57: 88-9.
54. McFarlane XA, Bhalla AK, Reeves DE, Morgan LM,Robertson DA. Osteoporosis in treated adult celiac disease. Gut 1995; 36: 710-4.
55. Holmes GKT, Prior P, Lane MR, Pope D, Allan RN. Malignancy in coeliac disease – effect of a gluten free diet. Gut 1989; 30.
56.Collin P et al. Infertility and coeliac disease. Gut. 1996;39:382-384. Disponível em: <http://gut.bmj.com/content/39/3/382>. Acesso em 03/06/2016.
57. Lasa JS et al. Risk of infertility in patients with celiac disease: a meta-analysis of observational studies. Arquivos de gastroenteroligia. 2014 Apr-Jun;51(2):144-50.
58.National Foundation for Celiac Awareness. Infertility and Celiac Disease. National Foundation for Celiac Awareness. Acesso em 06/10/2010..
59. Sher KS et al. Female fertility, obstetric and gynaecological history in celiac disease. A case control study. Digestion.1994;55(4):243-6. Disponível em: <http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/8063029>. Acesso em 03/06/2016.
60. Stazi AV et al. Celiac Disease and its endocrine and nutritional implications on male reproduction. Minerva Med. 2004. Jun;95(3):243-54.

Comments

comments