Encontre-nos nas redes sociais:

Zika Vírus
Espaço Criança
11 Razões para o médico confiar seus pacientes ao IPGO

Use o sistema de busca.

Por que os tratamentos de Fertilização in vitro podem falhar?

23 de novembro de 2013
Home » Atualidades » Por que os tratamentos de Fertilização in vitro podem falhar?

Leia na hora certa - Use o leitor QR Code e armazene este assunto para ler diretamente em seu Smartphone

Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi

Contato: saude@ipgo.com.br
Tel. (11) 3885-4333

Após esta leitura, leia também:

1. Por que a fertilização in vitro pode falhar
2. “Armazenamento” de embriões
3. Os tratamentos de fertilização in vitro
4. Fertilização in vitro em mulheres maduras
5. Fertilização em mulheres com FSH elevado
6. Vitrificação
7. Tratamentos que podem melhorar a fertilidade da mulher e os resultados dos tratamentos de fertilização
8. Diagnóstico Genético Pré-implantacional – PGS e PGD
9. Qual o custo?
10. Vídeos
11. Congelamento de óvulos
12. Home

Para muitos casais que passam por tratamentos de infertilidade, a Fertilização in vitro representa a última esperança para conseguir um filho. Muitos já passaram por outras tentativas sem sucesso de tratamentos de menor complexidade como o Coito Programado e a Inseminação Artificial, e por isso, é muito frustrante para eles que depositaram todas as suas expectativas neste tratamento, ver que todos os esforços foram em vão. Tempo perdido, disciplina nos horários, injeções, ultra-som, dinheiro gasto, expectativa, ansiedade – a vida parou neste período – e não deu certo!!! Uma pergunta comum após o teste negativo é: por que o embrião ou os embriões transferidos para o útero não implantaram? A resposta geralmente não é simples, mas, algumas hipóteses devem ser avaliadas, pois podem ajudar a esclarecer problemas menos freqüentes que ainda não foram pesquisados, mas ao serem diagnosticados podem ter aumentadas as chances de serem tratados no futuro.

As causas do insucesso podem ser problemas com os embriões, útero-endométrio, problemas imunológicos, endometriose e adenomiose

• EMBRIÕES

Alterações cromossômicas: um problema comum são as eventuais alterações cromossômicas do embrião que impedem a implantação, principalmente em mulheres com mais de 40 anos, mesmo quando eles têm um aspecto próximo à perfeição no dia da transferência. Isto não significa que este será um problema repetitivo em todos os tratamentos, mas esta possibilidade deve ser consideradapara se compreender que pode ter havido uma seleção natural do organismo materno que impediu a implantação do embrião não saudável. Por esta razão o IPGO recomenda que o casal realize o exame cariótipo que identifica as anormalidades cromossômicas que estão “dormentes” em cada um deles, isto é, são características recessivas que não aparecem em um indivíduo, mas que ao serem transmitidas ao embrião poderão tornar-se evidentes e causar doenças que impossibilitam o desenvolvimento do bebê. O cariótipo é um exame de sangue simples e, nestes casos, deve ser feito tanto pela mulher como pelo homem. É importante esclarecer que homens que têm uma baixa contagem de espermatozóides possuem chances maiores de apresentar anormalidades cromossômicas.

Biópsia do embrião (Diagnóstico Genético): Uma outra alternativa nestes casos é o exame PGS (Pré-implantationGeneticScreening), traduzindo para o português DPI (Diagnóstico Pré-Implantacional) realizado no embrião com o objetivo de diagnosticar nos embriões a existência de alguma doença cromossômica, antes da implantação no útero da mãe. Os embriões saudáveis são transferidos para o útero. Esta avaliação pode aumentar a chance maior de um tratamento ser bem sucedido.

NGS (Next-GenerationSequencing) e o (a-CGH – microarray-ComparativeGenomicHybridization): são técnicas para o Diagnóstico Pré-Implantacional (PGD) que estudam os 24 cromossomos do corpo humano (22 pares de cromossomos autossomos denominados com números de 1 a 22 e mais dois sexuais X e Y). Estas técnicas são capazes de identificar todas as anomalias cromossômicas chamadas aneuploidias, que são alterações no número de cromossomos, sendo perdas ou ganhos, causados por erros na divisão celular. Os embriões gerados com cromossomos a mais ou a menos não conseguem se desenvolver normalmente, e são a principal causa de falhas reprodutivas. Entres as aneuploidias mais conhecidas estão as Síndromes de Down, Patau Edwards, Klinenfeter e Turner. As técnicas NGS ou a-CGH, também chamadas de PGD-24, são capazes de detectar alterações envolvendo todos os 24 cromossomos e são realizados em uma fase adiantada de evolução embrionária, o blastocisto, no 5º dia após a fecundação (120 horas), o que permite a avaliação de um número maior de células (de 6 a 10) e, conseqüentemente, obter um resultado mais preciso. A retirada das células embrionárias é realizada empregando o uso de um laser que faz uma pequena abertura na região externa do blastocisto, chamada de trofectoderma (que dará origem à placenta). Por esta abertura, se exteriorizam algumas células que são aspiradas delicadamente e encaminhadas ao laboratório de genética.

Riscos e limitações: é possível que um embrião fique danificado durante a biópsia e possa parar seu desenvolvimento ou não ser adequado para transferência. Com a realização da biopsia por um embriologista especializado, esperamos que o risco de danificar o embrião seja muito baixo. Entretanto a biópsia do embrião é realizada há mais de 20 anos com milhares de nascimentos de bebês. Estudos indicam que o risco de defeitos congênitos é semelhante à taxa populacional geral que é cerca de 3-5%. Isto é, a realização de uma biópsia no embrião não aumenta as taxas de defeitos congênitos e a realização do PGS não descarta o nascimento de um bebê com defeitos congênitos os quais correspondem a toda anomalia funcional ou estrutural do desenvolvimento do feto decorrente de fator originado antes do nascimento, seja genético, ambiental, ambos ou desconhecido.

Fator masculino: pode ser também responsável pela má qualidade embrionária. Além da repetição do espermograma, outros exames poderão ser realizados ou refeitos. Recentemente tem sido indicado o exame de Fragmentação do DNA dos Espermatozóides que quando estiver alterado, reduz a capacidade reprodutiva dos homens. Ainda não há evidências comprovadas da influência destas alterações nas taxas de gravidez maisexistem indícios que esta relação pode existir. Calcula-se que quando o Índice de Fragmentação for igual ou superior a 30, as taxas de sucesso estarão comprometidas. A causa mais freqüente para esta alteração é o estresse oxidativo causado pelos maus hábitos (cigarro, álcool, etc.) e obesidade, entre outros. As vitaminas C e E, além da orientação ao paciente em condicionar de forma saudável seu estilo de vida, poderão solucionar o problema. Por isto, não custa nada antes de iniciar qualquer tratamento de infertilidade, sugerir uma rotina de vida fundamentada em bons hábitos. A técnica do PICSI realizada no laboratório separa os espermatozoides mais fragmentados para que estes não fertilizem os óvulos.

Quando o homem apresenta espermatozoides com alterações importantes da motilidade, morfologia, altas taxas de fragmentação do DNA e presença de vacúolos – o conjunto dessas alterações é denominado pela sigla em inglês MSOME (Motile Sperm Organellar Morphology Examination), além de abortos repetidos, pode ser indicada o IMSI (Intracytoplasmic Morfologically Select Sperm Injection), ou “Super ICSI”, ou “ICSI de alta magnificação” ou “ICSI magnificado”, considerado um dos mais recentes avanços nas técnicas de Fertilização Assistida. É uma nova versão do já conhecido ICSI (Injeção Intracitoplasmática do Espermatozoide).

O IMSI utiliza um novo sistema ótico chamado “contraste de fase interferencial”, que apresenta objetivas de maior poder de ampliação eletrônica das imagens, podendo observar os espermatozoides em mais detalhes, detectar seus defeitos e selecionar os melhores, pois são aumentados em até 12 mil vezes. O ICSI convencional aumenta só 400 vezes. Existem perspectivas de que no futuro um microscópio potente poderá separar os espermatozoides saudáveis daqueles comprometidos para que só eles sejam introduzidos no óvulo, mas isso é ainda uma promessa distante da realidade atual.

Protocolos de indução de ovulação e outras drogas: podem ter influência direta no número e qualidade dos óvulos e embriões, por isto mudanças neste aspecto, podem ser bem-vindas. Não há um esquema único de remédios que seja ideal para todas as mulheres. Existem muitos medicamentos de ótima qualidade que são ideais para algumas pacientes, mas não para outras. Nem sempre é possível acertar na primeira tentativa. Portanto, após uma análise criteriosa do ciclo anterior, nova possibilidade pode ser recomendada.

Outro problema é a espessura aumentada da zona pelúcida, a membrana que envolve o embrião, a qual, nessas condições, atrapalha a implantação. Para diagnosticar essa alteração utiliza-se o “AssistedHatching”, um procedimento realizado pelo laser, que faz pequenas aberturas nessa camada, ajudando na implantação. Essa técnica pode ser também utilizada em embriões fragmentados de 3º dia, retirando os fragmentos e melhorando seu potencial de implantação.

Existem outros exames que avaliam a qualidade dos embriões, como análise do meio de cultura em que eles se desenvolvem no laboratório, aparelhos que avaliam o consumo de oxigênio de cada um e a velocidade de divisão celular (Time Lapse), além de outros que analisam quais embriões têm maior chance de implantação. Entretanto, ainda é necessário que sejam feitos mais estudos para conclusões definitivas a esse respeito.

Outras técnicas novas têm sido indicadas para melhorar a qualidade dos embriões, como a transferência de citoplasma. Nessa técnica, o citoplasma do óvulo de uma doadora é injetado no óvulo da mulher receptora antes da fertilização. Embora esse procedimento possa melhorar a qualidade embrionária, entra em contradição com princípios éticos por provocar a integração de vários padrões cromossômicos.

• ÚTERO-ENDOMÉTRIO

Normalmente a avaliação da cavidade uterina é feita antes dos programas de Fertilização in vitro, mas caso ainda não tenha sido feita, esta investigação poderá ajudar a afastar alterações como pólipos, miomas ou aderências que podem impedir a implantação dos embriões. O melhor exame para esta investigação é a videohisteroscopia http://www.ipgo.com.br/videohisteroscopia/ (visibilização da cavidade uterina por um endoscópio) que além de diagnosticar as alterações citadas, pode identificar processos inflamatórios (endometrite) não reconhecidos em outros exames comuns. A biópsia do endométrio pode concluir esta hipótese e o tratamento com antibióticos resolverá o problema. Outras avaliações do endométrio poderão ser feitas como, por exemplo, a verificação da presença de células NK http://www.ipgo.com.br/fator-imunologico-auto-imune-trombofilias-e-vacinas/(Natural Killer) que, em excesso, podem atrapalhar a implantação dos embriões. Entretanto, ainda é necessária a realização de outros estudos sobre este assunto para uma conclusão definitiva sobre o real valor desta avaliação.

Normalmente a avaliação da cavidade uterina é feita antes dos programas de Fertilização in vitro, mas caso ainda não tenha sido feita, esta investigação poderá ajudar a afastar alterações como pólipos, miomas ou aderências que podem impedir a implantação dos embriões. O melhor exame para esta investigação é a videohisteroscopia (visibilização da cavidade uterina por um endoscópio) que além de diagnosticar as alterações citadas, pode identificar processos inflamatórios (endometrite) não reconhecidos em outros exames comuns. A biópsia do endométrio pode concluir esta hipótese e o tratamento com antibióticos resolverá o problema. Outras avaliações do endométrio poderão ser feitas como, por exemplo, a verificação da presença de células NK (Natural Killer) que, em excesso, podem atrapalhar a implantação dos embriões. Entretanto, ainda é necessária a realização de outros estudos sobre este assunto para uma conclusão definitiva sobre o real valor desta avaliação.

As pacientes que tiveram endométrio fino durante a indução da ovulação, nas tentativas anteriores, poderão ser beneficiadas com o uso do hormônio estradiol, aspirina e outras drogas vasodilatadoras. A hidrossalpinge, que é consequência de um processo inflamatório que dilata as trompas e provoca a formação de conteúdo líquido no seu interior, prejudica o ambiente uterino, dificulta a implantação dos embriões e aumenta a incidência de abortos.

A retirada das trompas afetadas aumenta significativamente as taxas de gravidez, pois o conteúdo que nelas existiam e que provavelmente escorria para o interior do útero impedindo a gravidez, deixa de existir. O diagnóstico de hidrossalpinge pode ser feito pelo ultrassom, histerossalpingografia e pela videolaparoscopia.

A dificuldade na transferência dos embriões muitas vezes causa traumas no endométrio e atrapalha a implantação do embrião, principalmente quando este ato for acompanhado de dor. A videohisteroscopia com a dilatação do colo ou simplesmente a dilatação do colo uterino isolada beneficia a próxima tentativa que, preferencialmente, deverá ser realizada com sedação. A transferência embrionária sob a visão do ultra-som traz benefícios ainda maiores, pois permite ao médico observar o trajeto do cateter em direção a cavidade uterina, bem como mostrar ao casal a localização exata da colocação dos embriões.

ERA (Teste de Receptividade Endometrial – ERA (Endometrial Receptivity Array): esse exame nos permite diagnosticar se o endométrio é receptivo no momento habitual, analisando a expressão de um grupo de genes responsáveis por esta função. Para isso, uma biópsia endometrial deve ser feita na fase receptiva do ciclo menstrual após cinco dias de uso da progesterona, em um ciclo estimulado. O teste ERA é indicado em situações especiais, como falhas repetidas de vários tratamentos em que houve transferência de embriões que não implantaram.

Entre as principais causas de insucesso dos tratamentos de fertilização estão as alterações do endométrio, que impedem ou dificultam a implantação dos embriões. Alguns exames têm explicado estas dificuldades, como o aumento de células NK (Natural Killer), processos inflamatórios e outros, mas isso tem sido insuficiente para esclarecer os resultados negativos. Este exame (ERA) avalia a receptividade endometrial e pode esclarecer alguns resultados negativos e melhorar as chances de gravidez.

Algumas vezes, a implantação do embrião no endométrio não ocorre e esta falha pode ocorrer por diferentes motivos. O endométrio, em situações habituais, é receptivo quando está pronto para a implantação do embrião, e normalmente isto ocorre entre os dias 19º ao 21º do ciclo menstrual (5-7 dias pós-ovulação ou 5 dias após o início da ação da progesterona). Este período de receptividade é chamado de JANELA DE IMPLANTAÇÃO. Entretanto, algumas mulheres podem não ter esta sincronia, isto é, a janela de implantação não é no 5º dia de progesterona, mas no 6º, 7º ou antes, no 4º dia. Para esta avaliação realizamos o exame ERA.

Nivel elevado de progesterona no dia do hcg: a progesterona tem uma função durante a segunda fase do ciclo menstrual e é particularmente importante para a implantação dos embriões e progressão da gravidez. Entretanto, nos tratamentos de fertilização in vitro (FIV), quando se realiza a estimulação ovariana, se o nível da progesterona estiver elevado no dia da aplicação do HCG, poderá ser responsável pela receptividade (10%) na probabilidade de gravidez. Este fato tem sido o foco de interesse há vários anos, motivo de controvérsias e assuntos de muitos debates. Em 2007 uma publicação avaliou a literatura existente sobre elevação de progesterona no dia do HCG e a importância no sucesso nos tratamentos de FIV e concluiu que os melhores resultados seriam quando os níveis atingissem um limiar crítico de 1,5 ng /mL. Outro estudo, um pouco mais flexível, considerou que este nível de tolerância deve ser proporcional ao número de óvulos produzidos, podendo o limiar se tolerado até 2,25 ng/ mL.

Assim elaboramos a seguinte tabela de proporcionalidade:

img1

Várias estratégias têm sido propostas com o objetivo de impedir a elevação da progesterona no dia do HCG, como a utilização de esquemas mais suaves de estimulação ovariana. Pode-se ainda dar preferência àquelas com associação de LH ou cancelamento da transferência do(s) no ciclo da indução (ciclo fresco), seguindo-se da transferência de embriões congelados-descongelados em um ciclo seguinte natural ou artificialmente preparado.

• SISTEMA IMUNOLÒGICO

Os problemas imunológicos têm sido responsabilizados por alguns casos de insucesso na Fertilização In Vitro e abortos de repetição. Alguns autores acreditam que muitos casos de falha são, na verdade, abortos muito precoces que, após um período curto de implantação embrionária, que não chega a ser detectado nos testes de gravidez, não evoluem e são eliminados. Existem controvérsias a respeito deste tema, mas os resultados positivos após a terapia com vacinas têm nos encorajado a prosseguir este tratamento que deve ser indicado em situações especiais.

Incompatibilidade de antígenos leucocitários entre o casal: a gestação pode ser considerada um aloenxerto, uma vez que o embrião é como um corpo estranho, geneticamente diferente da mãe. Para isso, o sistema imune materno tem que se adaptar para não “rejeitar” o embrião. Paradoxalmente, a disparidade genética entre os antígenos HLA materno e paterno é importante na implantação e no desenvolvimento do embrião, pois induz uma resposta imune ativa, porém protetora. Casais que compartilham antígenos HLA apresentam maior probabilidade de sofrerem abortos ou mesmo dificuldade de conseguir a gestação. Isso pode ser avaliado pelo exame CROSS-MATCH, que pesquisa a presença de anticorpos contra linfócitos paternos no sangue da mãe. Para fazer essa pesquisa retiram-se amostras de sangue do homem e da mulher e, em laboratório, realiza-se uma prova cruzada entre os dois, para identificar a presença de anticorpos.

Controvérsias sobre o Cross-Match: este é um exame que não apresenta evidências científicas comprovadas de sua eficácia (Medicina Baseada em Evidências). Por isso, a sua indicação deve ser restrita a alguns casos. São poucos os países no mundo que realizam essa pesquisa com tal finalidade, entretanto, pode ser uma opção. Para que se entenda esse exame, é necessária a compreensão de que todo ser humano possui a capacidade de rejeitar corpos estranhos e o embrião pode ser considerado como tal, pois traz com ele o DNA paterno, que é estranho ao organismo materno. Entretanto, em condições normais, o organismo da mãe suprime o sistema imune para não haver este ataque imunológico contra o embrião, impedindo, assim, a rejeição. Esta resposta imune protetora é chamada resposta Th2. Se isto não ocorre, o sistema imune os mecanismos de agressão imunológica seguem o seu caminho natural (resposta Th1), impedindo a gravidez ou mais tarde provocando o aborto. O exame de cross-match detecta quando há muita semelhança imunológica entre o pai e a mãe, assim, o sistema imune materno não reconhece o embrião como corpo estranho no início, não estimulando a via Th2 de resposta imunológica, impedindo a implantação ou causando, mais tardiamente, abortos. Para se realizar essa pesquisa retiram-se amostras de sangue do homem e da mulher e, em laboratório, realiza-se uma prova cruzada entre os dois, para identificar a presença dos anticorpos. Se não estiverem presentes, seria recomendável um tratamento com as vacinas ILP. Entretanto estes tratamentos não são mais permitidos pelo último relato da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) – Ofício 2586/2015 CFM/DECCT. Dessa forma, outra alternativa com eficácia semelhantes pode der recomendada como a que está descrita abaixo. G-CSF- Fator estimulante de colônias de granulócitos pode ser uma alternativa para a correção desses problemas.

Trombofilias: Existem outros exames que avaliam fatores imunológicos e, junto com este grupo de exames, estão as trombofilias. São doenças pouco frequentes e que provocam alterações de coagulação do sangue. Estas alterações não são detectadas em exames de sangue comuns, e quando existem, aumentam a chance de formar coágulos sangüíneos e causar tromboses mínimas capazes de impedir a implantação do embrião ou provocar abortos.

Os exames para esta pesquisa são feitos por coleta de sangue em laboratórios especializados e sempre com indicação médica. São eles:

• Anticorpos antifosfolípides

• Anticorpo antifosfatidil – serina (IgG, IgM e IgA)

• Anticorpoantifosfatidil – etenolamina (IgG, IgM e IgA)

• Anticorpos antitireoideanos

• Anticorpos antinucleares

• Células NK (Natural Killer)

• Anticorpo antiespermatozoide

• Fator V de Leiden

• Antitrombina III

• MTHFR

• Protrombina mutação

• Hemocisteína

• Proteína S

• Proteína C

• Beta 2 glicoproteina 1

• ECA (enzima conversora de angiotensina)

• Polimorfismo 4G/5G

A presença destas alterações no sangue das mulheres sugere causas imunológicas ou trombofilias. Os tratamentos variam de uma simples aspirina infantil até medicamentos mais sofisticados como a heparina, corticóides e imunoglobulina injetável.

É fundamental salientar que esta tecnologia não representa garantia no sucesso para a obtenção da gestação e sim uma nova alternativa para aqueles que até o momento não tiveram sucesso em tratamentos anteriores.

MAIS SOBRE AS TROMBOFILIAS

As Trombofilias têm importância não só na reprodução humana, mas também nas doenças cardiovasculares, uma vez que estão entre as principais causas de morte na população brasileira causando as duas mais importantes doenças deste setor: o Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) e o Acidente Vascular e Encefálico (AVE).

A maioria dos quadros de IAM e AVE é proveniente de episódios de Tromboembolismo Venoso e/ou Arterial que são considerados doenças comuns, com incidência anual de um a três casos por 100 habitantes (Silverstein ET AL).

As alterações genéticas que levam ao Tromboembolismo Venoso e/ou arterial são denominadas trombofilias, definidas como uma condição hereditária ou adquirida, caracterizada por promover alterações na coagulação sanguínea, alterações estas que resultam em um maior risco para trombose e doenças relacionadas, como doenças cardiovasculares e cerebrovasculares. (De Stefano ET AL).

As mais comuns predisposições genéticas à trombose são caracterizadas por mutações em cinco genes diferentes:

1. Gene Fator V de Leiden: O Fator V de Leiden é um regulador central da Hemostasia. A mutação do gene G1691A provoca uma variante da molécula do Fator V. Essa variante conserva sua atividade pró-coagulante, por não sofrer bloqueio natural da proteína C, o que o que predispõe à formação de trombos. Essa mutação é a mais comum das alterações hereditárias relacionadas à trombose (De Stefano ET AL.).

2. Gene da Protombina: A Protrombina é o precursor da protease trombina, enzima chave no processo de Hemostasia e Trombose. A mutação G20210A contribui para a elevação dos níveis plasmáticos de Protrombina e aumento nos níveis de Trombina, que pode facilitar a incidência de trombose venosa ou arterial (coronarianas ou cerebrais). Geralmente a mutação da Protrombina está associada a outros fatores de risco genético (Mutações no gene do Fator V de Leiden, mutações no gene da Metilenotetrahidrofolatoredutase), ou adquiridos (Anticoagulante lúpico, gravidez puerpério, traumas, imobilizações, neoplasias, cirurgias) (Brown ET AL).

3. Gene da enzima Metilenotetrahidrofolatoredutase (MTHFR): A MTHFR é uma enzima chave no metabolismo do Folato e da Homocisteína. As mutações C677T e A1298C contribuem para o aumento da Homocisteína plasmáticas. Tanto a Hiper-Homocisteínemia severa, quanto à moderada, levam a episódios trombóticos. Os pacientes podem permanecer assintomáticos até a terceira ou quarta década, quando apresentam episódios trombóticos (Arruda ET AL). A Hiper-homocisteínemia plasmática está associada à aterosclerose prematura e trombose arterial.

Neste exame são estudadas as mutações destes três genes acima descritos, além do polimorfismo C825T, no gene da subunidade B3 da Proteína G que está associado ao aumento da massa corporal, retenção de peso e hipertensão arterial na população em geral. Os resultados deste exame devem ser avaliados pelo médico responsável.

4. ECA (enzima conversora de angiotensina): é uma enzima que converte uma substância do organismo chamada angiotensina I em angiotensina II, que desempenha um papel importante no equilíbrio de eletrólitos (por sua ação nos rins) e aumentando a pressão arterial (por aumentar a contração dos vasos). Existem medicamentos que inibem a enzima conversora de angiotensina (ECA). Sua ação já é bem estabelecida em diminuir a concentração de angiotensina II, provocando o relaxamento dos vasos sanguíneos e, portanto, reduzindo a pressão arterial.

Além disso, a angiotensina II tem um impacto importante sobre a estrutura vascular. Considerando que a placenta é formada por múltiplas estruturas vasculares que se formam, a angiotensina II interfere na formação, metabolismo e função da placenta, órgão responsável pela irrigação e drenagem sanguíneo do feto. Dessa forma, foi sugerido que alterações na ação da angiotensina II poderiam ser causa de abortamento.Nos humanos, cada gene de um cromossomo, tem correspondência no outro cromossomo (genes alelos). O gene da enzima conversora da angiotensina (ECA) possui um polimorfismo bialélico, ou seja, podem ter 2 formas alternativas, que são denominadas Deleção (D) ou Inserção (I), resultando em três possíveis combinações: DD, II e I/D. Estudos demonstraram que o tipo de gene afeta diretamente a quantidade circulante da enzima ECA. Assim, portadores do genótipo DD (homozigose para o alelo D) apresentam concentrações séricas mais elevadas da enzima e, logo, de angiostensina II, enquanto portadores do genótipo II (homozigose para o alelo I) apresentam concentração mais baixas de ECA e angiotensina II.

Segundo dados da literatura, os portadores do genótipo DD possuem um risco de serem acometidos por infarto aumentado em 3,2 vezes em relação aos genotipos II e ID.

Uma meta-análise que avaliou 11 estudos comparando um total de 1637 mulheres com história de aborto de repetição sem causa aparente e 1659 mulheres sem antecedente de aborto avaliou a associação de aborto com os diferentes genótipos do gene da ECA. Foi observado que, em relação às mulheres com genótipo II, mulheres com genótipo DD apresentaram um risco de aborto aumentado em 81%, enquanto as com genótipo ID tem aumento em 50%.
A pesquisa do polimorfismo da ECA é realizada através de coleta de sangue, enviada ao laboratório para análise por PCR.

5. Polimorfismo 4G/5G: esta alteração está também associada com o risco aumentado de doenças cardiovasculares, levando a uma chance de 20% de ter infarto do miocárdio. Em uma recente publicação na revista científica internacional American JournalofReproductiveImmunology, uma meta-análise de 18 estudos publicados demonstrou que este polimorfismo pode estar realmente associado a abortos e sua pesquisa deve fazer parte da investigação de aborto recorrente. Outro estudo sugere associação com complicações gestacionais tardias, como insuficiência placentária, que pode levar a restrição de crescimento e alterações na circulação fetal. Sugere-se ainda que poderia estar associada à falha de implantação, mas ainda não tem dados conclusivos nesta área.
O inibidor do ativador do plasminogênio tipo 1 (PAI-1) é um dos fatores que regula a coagulação do sangue. O polimorfismo 4G/5G é uma variação comum do gene do PAI-1 que está relacionado com a concentração plasmática do PAI-1. O alelo 4G leva a maiores concentrações de PAI-1, aumentando a coagulação; enquanto o alelo 5G resulta em menores níveis de PAI-1 circulantes. A presença do alelo 4G está associada ao risco aumentado de eventos tromboembolísticos e doenças cardiovasculares, com risco de 20% para o infarto do miocárdio.

Além disso, altas concentrações de PAI-1 são encontradas em mulheres com aborto precoce de origem desconhecida e a presença do alelo 4G pode explicar estes casos, principalmente se no exame de sangue for detectado o alelo 4G em homozigose (2 alelos).

Considerando que pelo menos 25% dos casos de aborto recorrente não se encontra uma causa que explique, a pesquisa do polimorfismo 4G/5G é mais um exame que pode auxiliar neste diagnóstico e permitir um tratamento para que um novo aborto seja evitado.

• ENDOMETRIOSE

A associação da endometriose com a fertilidade tem sido alvo de discussão há muitos anos. Os debates em torno das proporções com que esta doença afeta a capacidade da mulher em ter filhos têm causado, por muitas vezes, um “vaivém” nas condutas e tratamentos médicos. Todos os tipos e graus de endometriose podem influenciar a fertilidade, entretanto, freqüentemente o diagnóstico não é tão evidente e fica como última opção na pesquisa, entre outras causas de infertilidade.

Em alguns casos está demora pode ser causada pela inexistência de sintomas, ausência das queixas clínicas e falta de evidências laboratoriais dos exames de sangue e ultrassom endovaginal. Muitas vezes somente após passar certo período, onde foram realizados tratamentos sem sucesso, é indicada a videolaparoscopia, que conclui o diagnóstico.

A espera por este esclarecimento atrasa a concepção e prolonga o sofrimento do casal.

A endometriose pode atrapalhar o resultado de gravidez mesmo nos programas de Fertilização In Vitro e por isto após a falha destes tratamentos esta possibilidade de diagnóstico deve ser avaliada, mesmo na ausência de sintomas. Temos observado uma taxa maior de gravidez em pacientes com sintomologia inexpressiva que realizam a videolaparoscopia quando comparada com aquelas que não fizeram e, por isso, acreditamos muito na importância deste diagnóstico.

A endometriose causa infertilidade pelos seguintes efeitos:

• Influencia os hormônios no processo de ovulação e na implantação do embrião.

• Altera também o hormônio prolactina e as prostaglandinas que agem negativamente na fertilidade.

• Provoca alterações imunológicas – alterações celulares responsáveis pela imunologia do organismo (células NK, macrófagos, interleucinas, etc.).

• Interfere na receptividade endometrial. O endométrio, tecido situado no interior da cavidade uterina, local onde o embrião se implanta, sofre a ação de substâncias produzidas pela endometriose (ILH e LIF – leukemiainnibitoryfactor) que atrapalham a implantação do embrião.

• Pode interferir no desenvolvimento embrionário e aumentar a taxa de abortamento

img2

• ADENOMIOSE

A adenomiose é uma patologia uterina relacionada com a endometriose, que é caracterizada pela presença de glândulas e estroma endometrial no miométrio (camada muscular do útero), podendo levar a hipertrofia das fibras musculares, com aumento do volume uterino. A adenomiose pode ser focal ou difusa, e quando difusa pode tornar o útero mais volumoso e pesado. Comumente a doença é encontrada em multíparas, entre 35 e 50 anos, porém estudos recentes mostram sua associação com infertilidade, falhas de implantação e abortos recorrentes.

Clinicamente a adenomiose causa menorragia (aumento do fluxo menstrual), dismenorreia (cólicas) e dor pélvica crônica. Sua causa ainda é desconhecida.

A ressonância magnética da pelve é o exame padrão ouro para o diagnóstico, com taxa de especificidade e sensibilidade de 90%, mas uma ultrassonografia endovaginal de boa resolução também pode ser utilizada para diagnóstico. Mulheres que apresentam a zona juncional entre o endométrio e miométrio acima de 8mm, são diagnosticadas com a doença.

O mecanismo exato da associação de adenomiose e infertilidade ainda não está claro. Mas estudos mostram sua associação com as falhas de implantação e aumento no risco de abortos em mulheres submetidas a tratamento de Fertilização in Vitro. Estudos multicêntricos apontam para um mecanismo autoimune no processo, devido ao aumento de macrófagos (CD163) e células NK (CD 56) no endométrio de mulheres com adenomiose.

Pacientes com adenomiose se beneficiam com “ultra downregulation” por 2-3 meses, isto é, a mulher recebe por 2 ou 3 meses os agonistas de depósito ( Luprondepot ou Zoladex ou Lorelindepot) antes do inicio das gonadotrofinas e devido ao fator auto imune é indicado o uso de corticoide durante o tratamento e até o inicio do segundo trimestre de gestação.

Atualmente o IPGO recomenda o exame de ultrassom com preparo intestinal para que se avalie também a endometriose que, frequentemente, está associada à adenomiose. Neste exame, a adenomiose é considerada grave quando compromete mais do que 50% do miométrio.

img3

• CONCLUSÃO E NOVAS PERSPECTIVAS

A avaliação das falhas de tratamentos por fertilização in vitro é muito complexa e deve ser individualizada para cada casal. Muitos pacientes ao terem um novo diagnóstico que talvez justifique o insucesso dos seus tratamentos, perguntam a si mesmos e a seus médicos porque esta iniciativa não foi tomada antes que ocorressem fracassos sucessivos. É importante enfatizar que vários destes exames são alvo de controvérsias e discussões no mundo inteiro. Existem ainda outros como a dosagem da Anexina V, Anti-anexina V, Citocinas Th1 e Th2, Glicodelina-A e IGFBB-L, HLA-G (humanleukocyteantigen-G que ajuda selecionar o melhor embrião), CGH (comparative genoma hybridization – algo semelhante ao PGD que identifica os embriões com problemas cromossômicos, mas, de uma forma menos agressiva), INVOcell (a fertilização ocorre dentro de uma cápsula colocada dentro da vagina) ORG36286 (uma nova medicação injetável para ser aplicada uma vez por semana ao invés de uso diário) e a SEED (Sub Endometrial EmbryoDelivery – uma mini câmera é inserida dentro do útero no momento da transferência para se localizar o melhor local para a implantação), que tem indicações restritas mas talvez, num futuro próximo, possam ser utilizados.

Muitos questionam quanto ao real valor de alguns destes diagnósticos e técnicas e se realmente justificariam o fato de não ter ocorrido à gravidez.

Por isto não é todo profissional que concorda em solicitá-los e quando o fazem deixam como uma opção mais remota. Cada médico tem a sua experiência profissional e obedece rigorosamente o conceito da “medicina baseada em evidências” e por isto não valoriza estes tratamentos. Entretanto muitos deles, que “ainda não têm evidências”, mas poderão ter no futuro, têm proporcionado, no presente, resultados positivos de gravidez.

Estamos atentos a todas as novidades que venham ajudar os casais a construírem a sua família.

“A nossa missão é fazer o que há de melhor para aqueles que desejam ter filhos e não conseguem naturalmente”.

Dr. Arnaldo Schizzi Cambiaghi



QUADRO RESUMO
RESUMO DA PESQUISA COMPLEMENTAR POR FALHA DA FERTILIZAÇÃO IN VITRO

Embrião - idade- zona pelúcida (AssistedHatching)- fragmentação do DNA do espermatozóide- alterações cromossômicas (PGD ou DPI)- protocolos de estimulação ovariana
Útero / Endométrio - miomas- aderências- pólipos- endometrite- endométrio fino

– hidrossalpinge

– transferência dos embriões

– problemas do endométrio

 

Sistemas Imunológicos - Cross Match- Trombofilias
Endometriose - peritoneal- ovariana- profunda infiltrativa
Adenomiose Grau de infiltração
Perspectivas futuras Anexina-V, Anti-anexina-V, Citocinas Th1 e Th2, Glicodelina-A e IGFBB-L, HLA-G (humanleukocyteantigen-G já é uma realidade mas ainda necessita de mais estudos), CGH (comparative genoma hybridization –semelhante ao PGD, identifica os embriões com problemas cromossômicos), INVOcell (a fertilização ocorre dentro de uma cápsula colocada dentro da vagina) ORG36286 (uma nova medicação injetável para ser aplicada uma vez por semana ao invés de uso diário) e a SEED (Sub Endometrial EmbryoDelivery)


Cuidados Durante o Tratamento
Algumas das substâncias presentes no meio ambiente e algumas atitudes podem prejudicar o processo de fertilização. Hábitos inadequados se ainda não tiverem sido corrigidos deverão ser evitados ao máximo, tanto a mulher quanto o homem.

ALGUMAS DICAS…

Hábitos:

• Café – 01(um) cafezinho por dia é o máximo permitido.

• Fumo – qualquer tipo – Já devia ter parado há tempos. Mas se ainda não o fez este é o momento.Se possível para sempre. O fumante passivo também é prejudicado por isto evite ambientes com muitos fumantes.

Alimentação:

• Sejam cautelosos com os alimentos coloridos, medicamentos ayuredicos da índia e algumas ervas chinesas, que podem conter substâncias tóxicas.

• Tenha uma alimentação saudável.Bebidas “diets” e alimentos “ligth” são permitidos.

• Reduza o consumo de alimentos gordurosos como o hot dog, manteiga, frituras e alguns peixes de água doce que podem conter a dioxina, uma substancia tóxica presente na atmosfera que através do ar e da água se alojam na gordura dos animais que produzem estes alimentos.

• Beba água. Procure beber pelo menos 8 copos por dia. Isto ajudará manter se seu metabolismo com melhor atividade.

• Comida japonesa (sushi) – É permitido!

BebidasAlcoólicas:

• Permita-se no máximo o “gole roubado” do copo do seu marido ou de alguém de sua intimidade. O homem também deve restringir a bebida. Caso contrário, se isto não for possível o limite é: meia taça de vinho ou meia caipirinha, ou meia dose de wiskyou meia lata de cerveja – 2 vezes por semana.

O que pode ajudar

  Fontes de Alimentos Recomendáveis
Vit.E Óleo de germe de trigo, óleo de girassol, nozes, amendoim e brócolis.
Vit.C Laranja, brócolis, couve e couve flor.
Ac.fólico Nozes, soja, queijo, ovos, brócolis, espinafre, aspargos, vargem branca e leguminosas, ervilha, suco de laranja, laranja, bananas, morango, pão integral, grapedruit.
Zinco Cereais integrais, carne de peru escura, ostras, frutos do mar, germe de trigo, ovos, abóbora, avelãs e outras nozes, feijões, levedo de cerveja, cebolas.
Cálcio Leite, yogurte, queijo, nozes, gergelim, ervilhas, feijão, lentilhas e vegetais de folhas verdes.
Ferro Carne vermelha, carne de aves, ovos e outros, grãos integrais, gema de ovo, ervilha, lentilha, feijão, vegetais com folhas verdes escuras, frutas secas, ameixas, levedo de cerveja.


CUIDADOS PESSOAIS:

Maquiagem, shampoos e algumas loções: podem conter PhtalatesBisphenole Tolueno podem ser tóxicos ao sistema reprodutivo. Cuidado!

Cabelos:
Só são aconselháveis as seguintes marcas de tonalizantes ou alisantes:

• Color Touch

• Hena

• LovingCare

• Luzes só de toquinha (balaiage)

• Casting

Depilação: É permitido- Rolon, Yeet, Nudit

Descolorantes: É permitido

Escova definitiva e progressiva NÃO é permitida

Meio ambiente: Cuidados com o contato com inseticidas e pesticidas, em casa e no jardim. Eles podem estar presentes na casca de algumas frutas e por isto devem ser bem lavadas ou descascadas. Evite ambientes que foram dedetizados há pouco tempo.

Os produtos de limpeza são tóxicos e biodegradáveis. Cuidado com a exposição excessiva.

Evite o uso de florais e fragrâncias que prejudicam o meio ambiente. Alguns brinquedos e adornos de plástico ou borracha podem conter substâncias tóxicas como, por exemplo, o chumbo.

Exercício: Se você não está habituado a fazer exercícios, este também não é o momento de iniciá-los. Se você já tem o hábito tome alguns cuidados.

Só estão permitidos exercícios leves: caminhada, yoga, alongamento ou natação por 30 minutos 3 á 4vezes por semana. Corrida nem pensar.

Musculação está proibida, pois durante os exercícios o sangue do organismo é direcionado para os músculos diminuindo a circulação sanguínea para órgãos reprodutores.

Relações sexuais: Liberadas até segunda ordem. Durante a indução da ovulação é permitido até os folículos alcançarem a dimensão média máxima de 16mm.

Viagens: Durante a indução só viajem o Maximo de 100 km ou 1 hora de avião. Apos transferência de embriões fiquem pelo menos três dias na cidade, mas, em casos especiais deverá ser utilizada a mesma regra do período d indução: máximo 100 km de distância ou 1 hora de avião.

REFERÊNCIAS
1. Abou-SettaAM, D’Angelo A, Sallam HN, Hart RJ, Al-Inany HG. Post-embryo transfer interventions for in vitro fertilization and intracytoplasmic sperm injection patients. Cochrane Database Syst Rev. 2009 Oct 7;(4):CD006567.

2. Abou-SettaAM, Mansour RT, Al-Inany HG, Aboulghar MM, Aboulghar MA, SerourGI.Among women undergoing embryo transfer, is the probability of pregnancy and live birth improved with ultrasound guidance over clinical touch alone? A systemic review and meta-analysis of prospective randomized trials. FertilSteril. 2007 Aug;88(2):333-41.

3. Ahmad G, Brown J, Duffy JM, Nardo LG, Watson A. Growth hormone for in vitro fertilization. Cochrane Database Syst Rev. 2009 Oct 7;(4):CD000099.

4. Bahceci M, Ulug U, Turan E, Akman MA. Comparisons of follicular levels of sex steroids, gonadotropins and insulin like growth factor-1 (IGF-1) and epidermal growth factor (EGF) in poor responder and normoresponder patients undergoing ovarian stimulation with GnRH antagonist. Eur J ObstetGynecolReprod Biol. 2007 Jan;130(1):93-8.

5. Bohlmann MK. Effects and effectiveness of heparin in assisted reproduction. J ReprodImmunol. 2011;90:82–90.

6. Bosch E, Labarta E, Crespo J, et al. Circulating progesterone levels and ongoing pregnancy rates in controlled ovarian stimulation cycles for in vitro fertilization: analysis of over 4000 cycles.HumReprod. 2010 Aug;25(8):2092-100.

7. Bourgain C, Devroey P. The endometrium in stimulated cycles for IVF. Hum Reprod Update. 2003 Nov-Dec;9(6):515-22.

8. Brown J, Buckingham K, Abou-Setta AM, Buckett W. Ultrasound versus ‘clinical touch’ for catheter guidance during embryo transfer in women.Cochrane Database Syst Rev. 2010 Jan 20;(1):CD006107.

9. Buckett WM. A review and meta-analysis of prospective trials comparing different catheters used for embryo transfer. FertilSteril. 2006 Mar;85(3):728-34.

10. Cheong YC, Dix S, Hung Yu Ng E, Ledger WL, Farquhar C.Acupuncture and assisted reproductive technology. Cochrane Database Syst Rev. 2013 Jul 26;7:CD006920.

11. Coulam CB, Jeyendran RS, Fishel LA, Roussev R. Multiple thrombophilic gene mutation are risk factors for implantation failure. Reprod Biomed Online 2006 Mar;12(3):322–7.

12. Coulam CB. Implantation failure and immunotherapy. Hum Reprod 1995Jun;10(6):1338–40.

13. Craciunas L, Tsampras N, Fitzgerald C.Cervical mucus removal before embryo transfer in women undergoing in vitro fertilization/intracytoplasmic sperm injection: a systematic review and meta-analysis of randomized controlled trials. FertilSteril. 2014 May;101(5):1302-7.

14. de Ziegler D, Streuli I, Meldrum DR, Chapron C. The value of growth hormone supplements in ART for poor ovarian responders. FertilSteril 2011 Nov;96(5):1069-76.

15. Derks RS, Farquhar C, Mol BW, Buckingham K, Heineman MJ. Techniques for preparation prior to embryo transfer. Cochrane Database Syst Rev. 2009 Oct 7;(4):CD007682.

16. Doldi N, Marsiglio E, Destefani A, Gessi A, Merati G, Ferrari A. Elevated serum P on the day of HCG administration in IVF is associated with a higher pregnancy rate in polycystic ovary syndrome. Hum Reprod. 1999 Mar;14(3):601-5.

17. Duffy JM, Ahmad G, Mohiyiddeen L, Nardo LG, Watson A. Growth hormone for in vitro fertilization. Cochrane Database Syst Rev. 2010 Jan 20;(1):CD000099.

18. Glujovsky D, Blake D, Farquhar C, BardachA.Cleavage stage versus blastocyst stage embryo transfer in assisted reproductive technology. Cochrane Database Syst Rev. 2012 Jul 11;7:CD002118.

19. Granot I, Gnainsky Y, DekelN.Endometrial inflammation and effect on implantation improvement and pregnancy outcome. Reproduction. 2012 Dec;144(6):661-8.

20. Harada T, Katagiri C, Takao N, Toda T, Mio Y, Terakawa N. Altering the timing of human chorionic gonadotropin injection according to serum P concentrationsimproves embryo quality in cycles with subtle P rise. FertilSteril. 1996 Mar;65(3):594-7.

21. Harper K, Proctor M, Hughes E. Growth hormone for in vitro fertilization. Cochrane Database Syst Rev. 2003;(3):CD000099.

22. Imudia AN, Awonuga AO, Kaimal AJ, Wright DL, Styer AK, TothTL.Elective cryopreservation of all embryos with subsequent cryothaw embryo transfer in patients at risk for ovarian hyperstimulation syndrome reduces the risk of adverse obstetric outcomes: a preliminary study. FertilSteril. 2013 Jan;99(1):168-73

23. Kasius A, Smit JG, Torrance HL, et al. Endometrial thickness and pregnancy rates after IVF: a systematic review and meta-analysis. Hum Reprod Update. 2014 Jul;20(4):530-41.

24. Kolibianakis EM, Venetis CA, Diedrich K, Tarlatzis BC, Griesinger G. Addition of growth hormone to gonadotrophins in ovarian stimulation of poor responders treated by in-vitro fertilization: a systematic review and meta-analysis. Hum Reprod Update. 2009 Nov-Dec;15(6):613-22.

25. Kucuk T, Kozinoglu H, Kaba A. Growth hormone co-treatment within a GnRH agonist long protocol in patients with poor ovarian response: a prospective, randomized, clinical trial. J Assist Reprod Genet. 2008 Apr;25(4):123-7.

26. Maheshwari A, Pandey S, Shetty A, Hamilton M, Bhattacharya S.Obstetric and perinatal outcomes in singleton pregnancies resulting from the transfer of frozen thawed versus fresh embryos generated through in vitro fertilization treatment: a systematic review and meta-analysis. FertilSteril. 2012 Aug;98(2):368-77.

27. Mansour R, Tawab N, Kamal O, et al. ntrauterine injection of humanchorionicgonadotropinbeforeembryotransfersignificantlyimproves the implantation and pregnancy rates in in vitro fertilization/intracytoplasmicsperm injection: a prospective randomizedstudy. FertilSteril. 2011;96(6):1370-1374.

28. Martinelli I, Taioli E, Ragni G, Levi-Setti P, Passamonti SM, Battaglioli T, et al. Embryo implantation after assisted reproductive procedures and maternal thrombophilia. Haematologica. 2003;88:789–93.

29. Mendoza C, Ruiz-Requena E, Ortega E, et al. Follicular fluid markers of oocyte developmental potential. Hum Reprod. 2002 Apr;17(4):1017-22.

30. Pal L, Jindal S, Witt BR, Santoro N. Less is more: increased gonadotropin use
for ovarian stimulation adversely influences clinical pregnancy and live birth
after in vitro fertilization. FertilSteril. 2008 Jun;89(6):1694-701.

31. Porter TF, LaCoursiere Y, Scott JR. Immunotherapy for recurrentmiscarriage. Cochrane DatabaseSyst Rev. 2006 Apr 19;(2):CD000112.

32. Potdar N, Gelbaya T, Nardo LG. Endometrial injury to overcome recurrent embryo implantation failure: a systematic review and meta-analysis. Reprod Biomed Online. 2012 Dec;25(6):561-71.

33. Qublan HS, Eid AA, Ababneh HA, Amarin ZO, Smadi AZ, Al-Khafaji FF. Acquired and inherited thrombophilia: implication in recurrent IVF and embryo transfer failure. Hum Reprod. 2006 Oct;21(10):2694-8.

34. Roque M, Lattes K, Serra S, et al. Fresh embryo transfer versus frozen embryo transfer in in vitro fertilization cycles: a systematic review and meta-analysis. FertilSteril. 2013 Jan;99(1):156-62.

35. Ruiz-Alonso M, Blesa D, Díaz-Gimeno P, et al. The endometrial receptivity array for diagnosis and personalized embryo transfer as a treatment for patients with repeated implantation failure. FertilSteril. 2013 Sep;100(3):818-24.

36. Sallam HN, Sadek SS. Ultrasound-guided embryo transfer: a meta-analysis of randomized controlled trials. FertilSteril. 2003 Oct;80(4):1042-6.

37. Santibañez A, García J, Pashkova O, et al. Effect of intrauterine injection of human chorionic gonadotropin before embryo transfer on clinical pregnancy rates from in vitro fertilisation cycles: a prospective study. ReprodBiolEndocrinol. 2014 Jan 29;12:9.

38. Shapiro BS, Daneshmand ST, Garner FC, Aguirre M, Hudson C, Thomas S.Evidence of impaired endometrial receptivity after ovarian stimulation for in vitro fertilization: a prospective randomized trial comparing fresh and frozen-thawed embryo transfer in normal responders. FertilSteril. 2011 Aug;96(2):344-8.

39. Simon A, LauferN.Assessment and treatment of repeated implantation failure (RIF). J Assist ReprodGenet. 2012 Nov;29(11):1227-39.

40. Simur A, Ozdemir S, Acar H, Colakoğlu MC, Görkemli H, Balci 
O, et al. Repeated in vitro fertilization failure and its relation with 
thrombophilia. GynecolObstet Invest. 2009;67:109–12.

41. Tesarik J, Hazout A, Mendoza C. Improvement of delivery and live birth rates after ICSI in women aged >40 years by ovarian co-stimulation with growth hormone. Hum Reprod. 2005 Sep;20(9):2536-41.

42. Thornhill AR, deDie-Smulders CE, Geraedts JP, et al. ESHRE PGD Consortium ‘Best practice guidelines for clinical preimplantation genetic diagnosis (PGD) and preimplantation genetic screening (PGS)’. Hum Reprod 2005 Jan;20(1):35–48.

43. Valbuena D, Martin J, de Pablo JL, Remohí J, Pellicer A, Simón C. Increasing levels of estradiol are deleterious to embryonic implantation because they directly affect the embryo.FertilSteril. 2001 Nov;76(5):962-8.

44. Venetis CA, Kolibianakis EM, Papanikolaou E, Bontis J, Devroey P, Tarlatzis BC. Is P elevation on the day of human chorionic gonadotrophin administration associated with the probability of pregnancy in in vitro fertilization? A systematic review and meta-analysis. Hum Reprod Update. 2007 Jul-Aug;13(4):343-55.

45. Xu B, Li Z, Zhang H, Jin L, Li Y, Ai J, Zhu G. Serum progesterone level effects on the outcome of in vitro fertilization in patients with different ovarian response: an analysis of more than 10,000 cycles. FertilSteril. 2012 Jun;97(6):1321-7.

46. Yoshioka S, Fujiwara H, Nakayama T, Kosaka K, Mori T, Fujii S. Intrauterine administration of autologous peripheral blood mononuclear cells promotes implantation rates in patients with repeated failure of IVF-embryo transfer. Hum Reprod. 2006 Dec;21(12):3290-4.

47. Balta G, Altay C, Gurgey A. PAI-1 Gene 4G/5G Genotype: A Risk Factor for Thrombosis in Vessels of Internal Organs. American Journal of Hematology 2002;71:89–93.

48. Chen H, Nie S, Lu M. Association between Plasminogen Activator Inhibitor-1 Gene Polymorphisms and Recurrent Pregnancy Loss: A Systematic Review and Meta-Analysis. Am J ReprodImmunol. 2015 Apr;73(4):292-300.

49. Ivanov P, Ivanov P, Gacheva S, Konova E, Komsa-Penkova R. Implication of PAI-1 4G/5G polymorphism in recurrent implantation failure after IVF. AkushGinekol (Sofiia). 2014;53(3):25-9.

50. Lima LM, Carvalho MG, Fonseca Neto CP, Garcia JCF, Sousa MO. Associação de níveis plasmáticos de PAI-1 e polimorfismo 4G/5G em pacientes com doença arterial coronariana. Arq. Bras. Cardiol. vol.97 no.6 São Paulo Dec. 2011.

51. Sartori MT, Danesin C, Saggiorato G, Tormene D, Simioni P, Spiezia L, Patrassi GM, Girolami A. The PAI-1 gene 4G/5G polymorphism and deep vein thrombosis in patients with inherited thrombophilia. ClinApplThrombHemost. 2003 Oct;9(4):299-307.

52. Souza PC, Alves JA, Maia SM, Araujo Júnior E, Santana EF, Silva Costa FD. The 4G/4G polymorphism of the plasminogen activator inhibitor-1 (PAI-1) gene as an independent risk factor for placental insufficiency, which triggers fetal hemodynamic centralization. CeskaGynekol. 2015 Winter;80(1):74-79.

Comments

comments